Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

30 Abril de 2014 | 18h25 - Actualizado em 02 Maio de 2014 | 09h51

População do distrito de Tsangano recenseia-se apesar da instabilidade

Tete - As brigadas de recenseamento eleitoral no distrito moçambicano de Tsangano não conseguiram deslocar-se às áreas onde estão homens armados da Renamo, obrigando a população a afluir a outras zonas, afirmou nesta quarta-feira o administrador local, Manuel Soares.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa de Moçambique

Foto: Angop

Em declarações à Lusa em Tete, onde se localiza o distrito de Tsangano, o administrador local, Manuel Soares, afirmou que no distrito se conseguiu recensear mais de 76 mil eleitores, dos 98 mil previstos, o correspondente a 78 porcento da meta, apesar da presença de homens armados da Renamo.

"Não conseguimos deslocar as brigadas de recenseamento para as zonas conturbadas, devido à presença de homens armados da Renamo, mas sensibilizamos a população daqueles locais para se dirigir aos postos de recenseamento eleitoral mais próximos e eles estão a afluir", afirmou Manuel Soares.

  

O Secretariado Técnico de Administração Eleitoral de Moçambique (STAE) anunciou nesta quarta-feira em Maputo a prorrogação do recenseamento por mais 10 dias, para as eleições gerais de 15 de Outubro, para permitir o registo de eleitores que não conseguiram inscrever-se até ao último dia 20, data em que terminou o prazo inicial da operação.

A Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), principal partido da oposição, reactivou algumas das bases que usou durante os 16 anos de guerrilha que moveu contra o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), que terminou em 1992, na sequência dos confrontos que trava com o exército na província de Sofala, centro do país, devido a divergências em torno da lei eleitoral.

  

A Renamo queixa-se igualmente da alegada marginalização dos oficiais da sua antiga guerrilha nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), constituídas com o exército da Frelimo, no quadro do Acordo Geral de Paz, assinado em 1992.

  

Em declarações à Lusa em Tete, onde se localiza o distrito de Tsangano, o administrador local, Manuel Soares, afirmou que no distrito se conseguiu recensear mais de 76 mil eleitores, dos 98 mil previstos, o correspondente a 78 porcento da meta, apesar da presença de homens armados da Renamo.

"Não conseguimos deslocar as brigadas de recenseamento para as zonas conturbadas, devido à presença de homens armados da Renamo, mas sensibilizamos a população daqueles locais para se dirigir aos postos de recenseamento eleitoral mais próximos e eles estão a afluir", afirmou Manuel Soares.

  

O Secretariado Técnico de Administração Eleitoral de Moçambique (STAE) anunciou hoje em Maputo a prorrogação do recenseamento por mais 10 dias, para as eleições gerais de 15 de outubro, para permitir o registo de eleitores que não conseguiram inscrever-se até ao último dia 20, data em que terminou o prazo inicial da operação. 

Assuntos Moçambique   Recenseamento  

Leia também