Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

12 Janeiro de 2018 | 17h51 - Actualizado em 12 Janeiro de 2018 | 17h50

Nigéria: Morto mentor do grupo raptor de britânicos em 2017

'Warri (Nigéria) - O presumível mentor de um grupo criminoso que raptou quatro britânicos, em Outubro de 2017, no Sul da Nigéria, foi morto durante uma troca de tiros com os militares, anunciaram nesta sexta-feira, as Forças armadas nigerianas, num comunicado, citado pela AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa da Nigeria

Foto: Divulgação

Quatro britânicos, dos quais dois pertencentes a uma organização caritativa, foram raptados a 13 de Outubro de 2017, próximo de Warri, Estado do Delta, onde se dedicavam ao trabalho de ajuda humanitária, há três anos.

Um destes, Ian Squire, foi morto durante o tempo de cativeiro, enquanto os três outros reféns foram libertados e regressaram ao país de origem, em Novembro.

Peregbakumo Oyawerikumo, conhecido por “Karowei”, descrito pelos militares como sendo o “cérebro” do rapto, foi interpelado quinta-feira.
 
Segundo o comunicado lido pelo porta-voz das Forças armadas, comandante Ibrahim Abdullahi, “Karowei” era também suspeito de ter participado nos ataques contra os soldados nigerianos, vitimando mortalmente quatro destes.

"Os cúmplices de “Karowei” atacaram os soldados que o guardavam e, em resposta, ele e os seus homens morreram”, acrescentou o porta-voz.

No Sul da Nigéria, os raptos em troca de resgate são muito frequentes.

Geralmente, os afortunados e as suas famílias têm sido os alvos dos criminosos, sendo que as vitimas são libertadas dias depois, em troca de dinheiro.

Vários suspeitos de rapto dos britânicos foram detidos a 19 de Outubro, pela Polícia, que suspeitava ser um grupo de militantes que já havia atacado instalações da corporação.

Assuntos Nigéria  

Leia também