Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

14 Fevereiro de 2018 | 18h26 - Actualizado em 14 Fevereiro de 2018 | 18h25

Etiópia: Autoridades libertam jornalista e um líder da oposição

Addis Abeba - As autoridades etíopes libertaram nesta quarta-feira, em Addis Abeba, um jornalista, assim como um responsável da oposição, e ilibou as acusações contra os bloguistas críticos do governo, no quadro de um vasto programa de amnistia e de libertações de prisioneiros, noticiou a AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

MAPA DA ETIOPIA

Foto: ANGOP

O jornalista Eskinder Nega e o opositor Andualem Arage deixaram nesta quarta-feira, uma prisão da capital Addis Abeba, sobre os olhares de uma centena de pessoas vindos para os saudar, segundo testemunhas.

“A luta deve continuar”, declarou Andualem. “ É preciso que a situação melhore para todos nós, os clarões da democracia devem brilhar sobre a Etiópia”.    

Andualem e Eskinder tinham sido condenados respectivamente a prisão perpétua e a 18 anos de prisão, em 2012, no quadro da legislação anti-terrorista etíope. Os mesmos tinham sido acusado de estar ligados à um grupo da oposição exilado nos Estados-Unidos, Ginbot 7, considerado como uma organização terrorista pelo governo etíope.

A lei sobre o terrorismo é regularmente denunciada como muito vaga pelas organizações de defesa dos direitos Humanos, segundo as quais as autoridades etíopes a utilizam para sufocar a oposição politica e a liberdade de imprensa.

Em 2013, os Estados Unidos mostraram-se “profundamente enganados” quando o Tribunal supremo federal tinha confirmado a condenação de dois homens.

A Amnistia internacional saudou a sua libertação, que aconteceu na véspera com a de um dos principais responsáveis da oposição, Bekele Gerba, apelando ao governo a libertar mais prisioneiros políticos.  

Nessas últimas semanas, as autoridades etipes libertaram centenas de prisioneiros e abandonou as perseguições, na sequência da promessa, a 03 de Janeiro, do Primeiro-Ministro Hailemariam Desalegn, de libertar um certo número de homens políticos para “melhorar o consenso nacional”.

Nesta quarta-feira, a procuradoria etíope renunciou prosseguir bloguistas críticos do governo, Befekadu Haile e Natanael Feleke, que eram acusados de incitação a violência, afirmou um membro do seu colectivo.

Essas libertações, assim como as discussões em curso com alguns partidos da oposição e a recente promessa de reformas, se inscreve num contexto difícil para a coligação no poder, no seio da qual apareceram ultimamente algumas fricções.    

Assuntos Etiópia  

Leia também