Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

03 Novembro de 2018 | 03h23 - Actualizado em 03 Novembro de 2018 | 00h50

Estado Islâmico reivindica ataque a peregrinos coptas no Egipto

Cairo - O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado armado a um autocarro de peregrinos cristãos coptas no Egipto que sexta-feira fez sete mortos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Os autores da emboscada a visitantes cristãos na estrada do mosteiro de São Samuel, em Minya, são combatentes do Estado Islâmico", indicou o órgão de propaganda dos 'jihadistas', Amaq, num comunicado divulgado na rede social Telegram.

Homens armados abriram sexta-feira fogo sobre o autocarro em que os peregrinos coptas viajavam para Minya, no centro do país, matando pelo menos sete pessoas, segundo o bispo da província.

Noutro incidente semelhante, 28 peregrinos coptas, incluindo muitas crianças, foram mortos em Maio de 2017, em Minya por homens armados, também quando seguiam a bordo de um autocarro.

O Egipto reagiu na altura a esse ataque, reivindicado pelo EI, com ataques aéreos a campos 'jihadistas' na vizinha Líbia.

Um ramo egípcio do EI está a ganhar terreno no norte da península do Sinai, onde ataca regularmente as forças de segurança desde que o exército destituiu o Presidente islamita Mohamed Morsi em 2013.

Também procedeu a ataques contra cristãos, obrigando dezenas de famílias a fugir dessa região no início de 2017.

Em Fevereiro deste ano, o exército egípcio lançou uma grande ofensiva contra os 'jihadistas' no Sinai, baptizada como "Sinai 2018", cujo balanço foi de mais de 450 'jihadistas' mortos.

Os coptas são a maior e a mais antiga comunidade cristã do Médio Oriente, estimada em 10 por cento dos cerca de 100 milhões de egípcios.

Assuntos África  

Leia também