Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

06 Dezembro de 2018 | 12h40 - Actualizado em 06 Dezembro de 2018 | 12h38

Marrocos defende reforço da cooperação sul-sul

Rabat - Um projecto que estabelece os alicerces para uma nova cooperação sul-sul foi lançado recentemente, em Rabat, pelo rei de Marrocos, Mohammed VI.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

BANDEIRA DE MARROCOS

Foto: LUCAS

Segundo o presidente da Câmara dos Representantes desse país do Magrebe, Habib El Malki, o novo projecto tem como objectivo contribuir para a satisfação das necessidades das populações africanas nas áreas de infra-estrutura, alimentação, formação profissional, educação e religião.

Falando a um grupo de jornalistas angolanos que recentemente visitou o Reino de Marrocos, o responsável afirmou que o país pratica e defende um Islão moderado e de tolerância, dai ser imperioso tornar-se uma referência nestas áreas.

No mesmo contexto, Marrocos também implementou uma nova política de migração, que é ditada por razões humanas e solidárias, em relação a uma parte da população africana que vive com medo e precariedade, muitas vezes vítimas de guerras civis, tensões tribais e mudanças climáticas.
 
Neste âmbito, considerou corajosa a política do seu país que facilitou a legalização de mais de 50 mil migrantes que viviam ilegalmente em Marrocos.
 
Reiterou que Marrocos realmente abriu as suas portas para acolher os migrantes que viviam em condições extremamente difíceis.

Habib El Malki lembrou que a nova Constituição de 2011, por um lado, definiu quem é o marroquino e, por outro, enfatizou a dimensão africana porque Marrocos tem profundas raízes africanas.

Esta nova constituição, prosseguiu, também defende o princípio da separação do poder, porque o seu país considera actualmente a existência de um poder executivo, legislativo e judicial.

Citou como exemplo o Parlamento marroquino que elabora e cria leis e supervisiona a acção do governo nas áreas económicas, sociais e diplomáticas. O país conta igualmente com um Conselho Supremo de Justiça.

O parlamento marroquino conta com 395 deputados oriundos de quatro partidos de coligação e dois partidos políticos da oposição.

Assuntos Cooperação  

Leia também