Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

13 Abril de 2018 | 10h42 - Actualizado em 13 Abril de 2018 | 10h42

Moçambique: Apreendida mais de uma tonelada de marfim

Maputo - A Autoridade Tributária de Moçambique (AT) anunciou quinta-feira, em Maputo, a apreensão de mais de uma tonelada de pontas de marfim, considerada uma das maiores apreensões daquele produto no país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Pontas de marfim

Foto: Google/Divulgação

Falando à imprensa, no porto de Maputo, local onde ocorreu a apreensão da mercadoria, o assistente para área de imprensa da AT, Fernando Tinga, disse que a mesma foi empacotada numa fábrica localizada na zona de Beleluane, distrito de Boane, província meridional de Maputo, e que tinha como destino Cambodja.

Para a apreensão das pontas de marfim, Tinga explicou que as Alfândegas de Moçambique fiscalizaram seis contentores de uma empresa especializada na produção de artigos de plásticos, que tinha declarado a exportação de resina de propileno, uma substância usada no fabrico de artigos plásticos.

Sem avançar o nome da empresa, Tinga afirmou que, ao abrirem um dos contentores, os funcionários das Alfândegas deparara-se com pontas de marfim, escondidas entre os produtos recicláveis.

“Estamos a falar de garrafas plásticas da água mineral, de refrescos, já usadas. E, não encontramos a resina declarada na exportação”, afirmou.

Nos procedimentos aduaneiros de Moçambique, são proibidas de exportar o marfim e outras obras feitas de marfim, salvo quando estejam devidamente autorizadas.

“Por causa da primeira e segunda infracção, decidimos apreender a mercadoria para que, depois, se sigam os trâmites seguintes”, disse, apontando como passo subsequente, contactar o ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural e outras instituições para a abertura de um processo-crime no Tribunal Aduaneiro.

Para se apurar a quantidade exacta dos elefantes dizimados, segundo Tinga, os funcionários deverão proceder a contagem peça por peça.

Por enquanto, Tinga disse que ainda não há detido, tendo assegurado que a empresa de empacotamento já foi notificada.

Assuntos Moçambique  

Leia também