Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

10 Outubro de 2018 | 09h21 - Actualizado em 10 Outubro de 2018 | 09h20

RDC: Candidato da Maioria pede levantamento das sanções

Kinshasa - Emmanuel Shadary, candidato presidencial da Maioria no poder, na RD Congo, e outros 14 próximos colaboradores do Presidente Kabila pediram terça-feira, em Kinshasa, o levantamento das sanções que lhes foram aplicadas pela União europeia, entre 2016 e 2017.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da RDC

Foto: Angop

O pedido acontece a menos de dois meses das eleições gerais previstas para 23 de Dezembro próximo.

Com efeito, um dos seus advogados, Thierry Bontinck, esteve na Republica Democrática do Congo (RDC) entre os dias 24 de Setembro e 02 de Outubro, onde contactou os seus 15 clientes, todos, próximo colaboradores do Presidente Joseph Kabila.

Apesar dos seus sucessivos pedidos iniciados há um ano e das várias explicações documentas, o Conselho da União europeia não tem-se mantido calada, explicou o advogado.

Recorde-se que em 2017 a União europeia prorrogou as sanções aplicadas a seis colaboradores de Joseph Kabila e elevou a lista para 15 sancionados.

Tratam-se do antigo ministro do Interior e da Segurança, Emmanuel Shadary Ramazani; do seu predecessor, Evariste Boshab; do ministro da Comunicação social, Lambert Mende Omalanga e do director dos Serviços secretos, Kalev Mutond.

Outros nomes são: general Muhindo Akili Mundos, comandante da 31ª brigada das Forças Armadas; general Eric Ruhorimbere, chefe das operações militares no Kasai Central; Jean-Claude Kazembe Musonda, antigo governador do Alto –Katanga; Alex Kandé Mupompa, antigo governador do Kasaï Central, bem como o chefe das milícias do Katanga, Gideon Kyungu Mutanga, actualmente sob residência vigiada no Alto - Katanga.

Todos os citados não podem circular no território europeu e os seus bens foram congelados.

As referidas sanções foram possíveis graças aos Embaixadores europeus, no dia 27 de Maio de 2017.

No seu relatório, eles acusam tais personalidades políticas e militares congolesas de terem incentivado a violência e a violação dos direitos humanos, no Kasai Central.

Assuntos RDCongo  

Leia também