Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

02 Dezembro de 2019 | 18h23 - Actualizado em 02 Dezembro de 2019 | 18h40

Britânicos vão devolver tesouros da arte africana roubados sob o colonialismo

Cambridge - Uma faculdade de Cambridge anunciou que vai repatriar um dos objectos chamados Bronzes do Benin, pilhados em Benin City (actual Nigéria), há mais de um século, durante um ataque militar britânico, noticiou a BBC.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira do Reino unido

Foto: Divulgação

O galo, conhecido por "okukor", esteve exposto na cantina da universidade até 2016, quando os estudantes insistiram para que fosse retirado e entregue de volta ao seu local de origem.

"Não há dúvida de que a estátua foi pilhada directamente da Corte Real do Benin no quadro da expedição punitiva de 1897 e entregue à faculdade em 1905 pelo pai de um dos estudantes”, indicou em comunicado a faculdade Jesus College de Cambridge.

A instituição universitária britânica acrescentou que a herança "pertence aos actuais Oba da Corte do Benin" - os guardiões da cultura do povo de Edo.

Este anúncio suscitou vários apelos a favor da devolução de um grande número de artefactos históricos existentes em museus britânicos para os seus países de origem.

"A maioria destes objectos foram saqueados. Referimo-nos aos bronzes do Benin e outros artefactos de África e da Ásia que foram literalmente roubados", sublinhou o professor Kehinde Andrews, da Universidade de Birmingham City.

"A única justificação da sua presença aqui era o colonialismo. A Grã-Bretanha deve entender que o colonialismo morreu há muito tempo e que a única coisa responsável a fazer é devolver esses objectos a quem os pertencem", prosseguiu.

O debate na Grã-Bretanha reflecte iniciativas similares que parecem estar aceleradas em outras partes da Europa, principalmente na França, onde o presidente Macron ordenou a "restituição da herança africana à África", temporária ou definitivamente, nos próximos anos.

Numa cerimónia em Dakar, capital do Senegal, o país devolveu um desses objectos, uma espada que pertencia a Omar Saidou Tall, que reinou parte do que hoje é a Guiné-Conakry, Senegal e o Mali na segunda metade do século XIX.

Assuntos Cultura   África  

Leia também