Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

12 Março de 2019 | 15h34 - Actualizado em 12 Março de 2019 | 15h34

Estudantes argelinos denunciam artimanha de presidente Buteflika

Argel - Milhares de estudantes foram às ruas nesta terça-feira, em Argel, para protestar contra o que consideram uma artimanha de Abdelaziz Buteflika depois que o presidente desistiu de se candidatar a um quinto mandato e adiar as eleições.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Os estudantes resistirão ao prolongamento de um quarto mandato!", gritavam os manifestantes.

"Não à artimanha de Bouteflika!", gritavam ainda os estudantes, que se manifestam pela terceira vez consecutiva através de convocações pelas redes sociais.

Nesta terça-feira, o logotipo inicial das manifestações que começaram em 22 de Fevereiro - um "5" dentro de um círculo e riscado em vermelho - se tornou um "4" para protestar contra a extensão do quarto mandato.

Frente a estes protestos inéditos em 20 anos de poder, o presidente de 82 anos anunciou segunda-feira que desistia de disputar um quinto mandato e o adiamento da eleição presidencial prevista para 18 de Abril.

Numa mensagem à nação, publicada pela agência oficial APS, afirma que a eleição presidencial será realizada no final de uma conferência nacional encarregada de reformar o sistema político e preparar um projecto de Constituição até o final de 2019.

O presidente Bouteflika regressou à Argélia no último domingo depois de duas semanas de internamento na Suíça para "exames médicos de rotina".

Ao se comprometer "a entregar os poderes e prerrogativas de presidente da República ao sucessor que o povo argelino escolher livremente", Bouteflika indica implicitamente que seguirá como chefe de Estado até o final do seu mandato, em 28 de Abril de 2019.

A próxima eleição presidencial "acontecerá ao final de uma conferência nacional inclusiva e independente (...) bastante representativa da sociedade argelina" que "deverá se esforçar para completar o seu mandato antes do final de 2019", acrescentou Bouteflika.

Por sua vez, Noureddine Bedoui, até o momento ministro do Interior, foi nomeado primeiro-ministro em substituição a Ahmed Ouyahia, alvo, junto com Bouteflika, dos protestos no país.

Bedoui será encarregado de formar o novo governo, segundo a APS. Terá como vice-primeiro-ministro Ramtane Lamamra, nomeado igualmente à pasta das Relações Exteriores.

A importância da mobilização terça-feira será um sinal do sucesso ou fracasso dos anúncios de segunda-feira do chefe de Estado, no poder desde 1999.

Há também manifestações de estudantes em outras cidades, incluindo Annaba (nordeste), muito mobilizada desde o início dos protestos. Nesta cidade, a quarta do país, os estudantes realizaram protestos nos diferentes campi.

Assuntos Manifestações  

Leia também