Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

01 Julho de 2019 | 10h53 - Actualizado em 01 Julho de 2019 | 11h51

Sudão: Protestos deixam sete manifestantes mortos

Cartum - Pelo menos sete manifestantes morreram em protestos maciços celebrados domingo (30) no Sudão para exigir dos militares a entrega do poder aos civis, anunciou um comité de médicos vinculado à oposição, anunciou a AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa do Sudão

Foto: Angop

Em hospitais da capital e do interior "também há muitos feridos graves baleados pelas milícias do Conselho Militar", acrescentou o comité.

Neste domingo, dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em todo o Sudão para pressionar o Conselho Militar de Transição, que tomou o poder após a destituição, em Abril, do presidente Omar el Bechir.

No sábado, a União Europeia tinha alertado que era "dever do Conselho Militar garantir a segurança de todos e se abster de qualquer uso de violência contra os manifestantes".

Já a Amnistia Internacional alertou que o conselho "não deve deixar que o país deslize para uma repressão maior. O mundo está olhando".

A manifestação deste domingo foi a maior desde 3 de Junho, quando os militares dispersaram um acampamento diante do quartel-general do exército, com um balanço de dezenas de mortos e desatou protestos internacionais.

A Aliança para a Liberdade e a Mudança (ALC), que lidera os protestos, convocou uma grande manifestação para exigir uma transferência de poder aos civis.

Em três bairros de Cartum, Bari, Arkaweit e Al Mamura, a polícia usou gás lacrimogéneo contra os militantes que gritavam "Poder Civil", afirmaram testemunhas.

As forças de segurança também reprimiram os manifestantes na cidade de Gadaref, leste do país.

"Convocamos nosso povo revolucionário na capital para que siga até o palácio para exigir justiça para os mártires e que o poder seja entregue de imediato aos civis, sem condições", afirmou a Associação de Profissionais Sudaneses (SPA), que integra a ALC.

A marca do "milhão" poderia ser um teste para comprovar a capacidade de mobilização dos organizadores do movimento. Mas também para o Conselho Militar de Transição, que comanda o país desde que o exército destituiu e prendeu em 11 de Abril o presidente Omar el-Bechir.

As autoridades bloqueiam há várias semanas a internet, uma ferramenta estratégica para mobilizar os manifestantes desde o início do inédito movimento de protesto no Sudão em 19 de Dezembro de 2018.

Assuntos Manifestações  

Leia também