Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

06 Setembro de 2019 | 13h23 - Actualizado em 06 Setembro de 2019 | 14h11

Base de Guerrilheiros da Junta Militar da Renamo atacada no centro de Moçambique

Gorongosa, Moçambique - Uma base de guerrilheiros da Renamo, que apoia a autoproclamada Junta Militar do partido, foi atacada hoje em Chipindaumwe, distrito de Gondola, centro de Moçambique, disse à Lusa o líder do grupo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Símbolo da RENAMO

Foto: Google /divulgação

Mariano Nhongo, tenente-general da Renamo e líder da Junta Militar, disse que um contingente das Forcas de Defesa e Segurança invadiu uma base do grupo e disparou contra os guerrilheiros ali entrincheirados.

A base fica a pouca distância do local onde foi atacado um autocarro de passageiros, em que três pessoas ficaram feridas na quinta-feira, junto ao rio Pungue, zona limítrofe entre os distritos de Nhamatanda e Gorongosa.

“Temos homens (guerrilheiros) que estão a ser atacados neste momento” disse à Lusa Mariano Nhongo, sem detalhes, avançando que o grupo estava desdobrar-se para responder à ofensiva.

Apesar das hostilidades entre Governo e Renamo terem cessado em Dezembro de 2016 e de a paz ter sido formalmente subscrita através de acordos assinados há um mês, um grupo liderado por Mariano Nhongo, tenente-general da Renamo, permanece “entrincheirado nas matas”.

O grupo, que se auto-denomina Junta Militar da Renamo, contesta o líder do partido, Ossufo Momade, e os acordos assinados por este, nomeadamente os que regulam o desarmamento e reintegração dos guerrilheiros na sociedade.

Na quinta-feira, uma fonte do grupo negou à Lusa a autoria do ataque ao autocarro de passageiros, classificando-o como “uma forma de chantagem” contra a Junta Militar, que formou uma direcção à revelia da estrutura oficial do partido e ameaça com acção militar se o Governo não renegociar os acordos de paz.

No início do mês, o grupo denunciou um plano de ataque às suas bases por forças estatais, e acusou o líder do partido de ter fornecido as coordenadas das bases dos guerrilheiros contestatários.

Assuntos Violência  

Leia também
  • 06/09/2019 09:39:36

    Clima de medo reina no Burundi, segundo Nações Unidas

    Genebra, Suíça - Um “clima de medo” reina por todos os lados no Burundi, a menos de um ano das eleições gerais previstas para 2020, constatam investigadores das Nações Unidas, que denunciaram assassinatos, detenções arbitrárias e torturas de opositores políticos, informou quinta-feira a Pana.

  • 05/09/2019 12:03:35

    África do Sul encerra missões diplomáticas na Nigéria

    Pretória - O Governo sul-africano decidiu "encerrar temporariamente" as suas missões diplomáticas na Nigéria na sequência de ameaças em represália pela violência xenófoba na África do Sul, anunciou nesta quinta-feira fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

  • 04/09/2019 14:04:08

    Empresas moçambicanas apelam a "intervenção urgente" para travar xenofobia

    Maputo - A Confederação das Associações Económicas (CTA), maior entidade patronal moçambicana, apelou hoje para uma intervenção urgente visando acabar com a violência xenófoba que se regista na África do Sul.