Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

07 Janeiro de 2020 | 09h53 - Actualizado em 07 Janeiro de 2020 | 09h56

Frelimo condena violência armada no Centro e Norte de Moçambique

Maputo - A Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, condenou os ataques por grupos armados no norte de Cabo Delgado e encorajou as forças de defesa a defenderem as populações vítimas dos ataques iniciados em Outubro de 2017, segundo informou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da FRELIMO

Foto: Divulgação

"A comissão política da Frelimo condena veementemente esses actos de barbaridades que têm trazido morte e sofrimento nas populações", lê-se no comunicado do órgão da Frelimo, que esteve reunido segunda-feira na sua 40.ª sessão.

O partido no poder em Moçambique encoraja as Forças de Defesa e Segurança a "intensificarem a sua acção combativa", como forma de garantir a defesa da paz, tranquilidade e ordem públicas, refere o documento, no qual a Frelimo também se manifesta solidária com as pessoas afectadas pelo mau tempo no norte e centro do país.

Em alguns pontos do Norte e Centro de Moçambique, especificamente em Cabo Delgado, Sofala e Manica, grupos armados têm protagonizado ataques contra viaturas civis, autoridades e aldeias.

No Norte, na província de Cabo Delgado, os ataques de grupos armados eclodiram há mais de dois anos e já provocaram pelo menos 300 mortos, além de deixar cerca de 60.000 afectados ou obrigados a abandonar as suas terras e locais de residência, de acordo com a mais recente revisão do plano global de ajuda humanitária das Nações Unidas.

Por outro lado, no Centro do país, especificamente nas províncias de Sofala e Manica, grupos armados têm protagonizado ataques contra viaturas em dois dos principais corredores rodoviários moçambicanos, a Estrada Nacional 1 (EN1), que liga o Norte ao Sul, e a Estrada Nacional 6 (EN6), que liga o porto da cidade da Beira ao Zimbabwe e restantes países do interior da África austral.

Desde Agosto de 2017, pelo menos 21 pessoas morreram em ataques de grupos armados que deambulam pelas matas nas províncias de Manica e Sofala e as autoridades moçambicanas têm responsabilizado os guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), liderados pelo Mariano Nhongo, generais dissidentes do partido e que exige a renúncia do actual líder, Ossufo Momade.

A Renamo, por sua vez, distancia-se dos episódios, considerando que continua a cumprir com as cláusulas do acordo de paz assinado em 06 de Agosto entre Ossufo Momade e o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi.

Assuntos Violência  

Leia também
  • 18/12/2019 12:24:36

    Presidente francês solidário com Níger após ataque de Inates

    Niamey - O Presidente francês, Emmanuel Macron, enviou uma mensagem de condolências ao seu homólogo nigerino, Mahamadou Issoufou, depois do "terrível drama de Inates? ocorrido a 10 de Dezembro corrente e que matou 71 soldados nigerinos, soube a PANA de fonte oficial em Niamey.

  • 17/12/2019 13:02:24

    Confronto entre civis e militares deixa um morto e dois feridos em Cabo Delgado

    Maputo - Uma pessoa morreu e duas outras ficaram feridas na sequência de confrontos entre populares e as Forças Armadas moçambicanas no distrito de Muidumbi, província de Cabo Delgado, disseram hoje à Lusa testemunhas.

  • 04/12/2019 09:20:22

    Linha de denúncia de grupos armados acalma contestação na RDC

    Kinshasa - O clima de contestação na cidade de Beni, no leste da República Democrática do Congo (RDCongo), foi terça-feira suspenso, depois do exército do país ter fornecido um número gratuito para denunciar alegados membros dos grupos armados presentes na região, anunciou a Lusa.