Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

13 Janeiro de 2020 | 17h05 - Actualizado em 13 Janeiro de 2020 | 17h05

EUA admitem reduzir a sua presença militar em África

Bruxelas - Os Estados Unidos admitiram hoje reduzir a sua presença militar em África, o que pode colocar em risco os esforços feitos pelos europeus para ajudar a região na luta contra os jihadistas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira dos Estados Unidos da América

Foto: Divulgação

"[Os recursos do Pentágono dedicados à África ou ao Médio Oriente] podem ser reduzidos e depois redireccionados, para melhorar a preparação de nossas forças nos Estados Unidos ou no Pacífico", afirmou o chefe do Estado Maior das Forças Armadas dos EUA, general Mark Milley, à chegada a Bruxelas, na madrugada de hoje, para uma reunião do Comité Militar da NATO, que se realiza entre terça e quarta-feira.

Estas declarações foram feitas no momento em que a França reúne os líderes do G5 Sahel para tentar fortalecer a frente anti-jihadista na região.

"Estamos no processo de desenvolver opções para o secretário da Defesa norte-americano, Mark Esper", explicou o general Milley aos jornalistas.

Essa reflexão será feita "em coordenação com nossos aliados e parceiros nas áreas envolvidas", afirmou.

Hoje, o presidente francês, Emmanuel Macron, reúne os chefes de Estado dos cinco países do Sahel - Tchad, Níger, Burkina Faso, Mali e Mauritânia - para fortalecer a legitimidade, contestada, dos soldados franceses posicionados na região e tentar mobilizar os aliados europeus.

Os Estados Unidos querem reduzir o número de soldados destacados em toda a África nos próximos anos e concentrar-se mais em responder às ameaças colocadas por russos e especialmente chineses.

O exército norte-americano desloca por rotação em África cerca de sete mil soldados das forças especiais que estão a realizar operações conjuntas com os exércitos nacionais contra os 'jihadistas', principalmente na Somália.

Além disso, dois mil soldados do exército realizam missões de treino em cerca de 40 países africanos e participam nas operações de cooperação, em particular com as forças francesas da Operação Barkhane, no Mali, às quais prestam principalmente assistência logística.

Assuntos África  

Leia também
  • 10/01/2020 18:31:26

    Mais de 20 países africanos vão a eleições em 2020

    Joanesburgo - Mais de duas dezenas de países africanos vão este ano a eleições, com as atenções centradas nas presidenciais na Côte d'Ivoire, em Outubro, e nas gerais da Guiné Conakry, em Fevereiro, e do Ghana, em Dezembro.

  • 09/01/2020 23:30:37

    Presidente da CNE da Guiné Bissau refuta denúncias de coacção

    Bissau - O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau, José Pedro Sambu, refutou as acusações da mandatária do candidato derrotado na eleição presidencial, Domingos Simões Pereira, que o acusou ter sido coagido a atribuir a vitória parcial ao candidato Umaro Sissoco Embaló.

  • 07/01/2020 05:17:45

    ONU lamenta morte de civis em acidente de avião militar no Sudão

    Cartum - O coordenador residente e humanitário das Nações Unidas no Sudão, Gwi Yeop Son, exprimiu a sua profunda tristeza face a trágicas perdas de vidas humanas, causadas por um acidente de avião ocorrido em El Geneina, no oeste de Darfur, no oeste sudanês.