Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

06 Fevereiro de 2020 | 11h52 - Actualizado em 06 Fevereiro de 2020 | 12h24

Exército sudanês defende reunião entre líder do país e PM israelita

Cartum - O exército sudanês defendeu quarta-feira a reunião de segunda-feira entre o líder do Conselho Militar de Transição e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, considerando tratar-se de uma iniciativa para pôr fim ao estatuto de "Estado pária", noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Arte das Bandeiras de Israel (esq) e do Sudão

Foto: Divulgação

Numa conferência de imprensa, o porta-voz das Forças Armadas do Sudão, o brigadeiro Amer Mohammed al-Hassan, defendeu que o encontro entre Abdel Fattah al-Burhan e Netanyahu, no Uganda, foi um esforço para pôr fim ao estatuto de país patrocinador do terrorismo.

Segundo o militar, o objectivo das conversas passa pela remoção do Sudão da lista de países que apoiam o terrorismo, dos Estados Unidos da América, do qual o território faz parte desde a década de 1990, quando acolheu Osama bin Laden e outros terroristas.

O Sudão é suspeito de também ter servido de ponte para o Irão fornecer armas para milícias palestinianas na Faixa de Gaza, tendo sido alvo de ataques aéreos contra uma escolta, em 2009, e contra uma fábrica de armas, em 2012, atribuídos a Israel.

Al-Hassan citou Burhan e apontou que o seu país enfrenta uma pressão económica, precisando de "decisões corajosas para mudar as suas políticas nacionais e internacionais".

Burhan terá dito também que houve "conversas preliminares" sobre o encontro há cerca de três meses e que o líder civil, o primeiro-ministro, Abdalla Hamdok, foi informado da reunião dois dias antes.

Na plataforma social Twitter, Hamdok pediu aos líderes do país para respeitarem os canais oficiais para a política interna, defendendo que o seu executivo deve ser responsável pelas interacções com Estados estrangeiros.

A reunião ocorreu dois dias depois de a Liga Árabe ter rejeitado o plano do Presidente norte-americano, Donald Trump, para o Médio Oriente.

A nova administração do Sudão considera que a saída da lista de países que apoiam o terrorismo é fundamental para a reconstrução da sua economia.

Contudo, Cartum faz parte da Liga Árabe e, portanto, rejeitou o plano de Trump para o Médio Oriente.

O mapa desenhado pelos EUA prevê a anexação, por parte de Israel, do vale do Jordão, que constitui cerca de 30% do território da Cisjordânia, além de estabelecer Jerusalém como capital israelita, ao arrepio das resoluções da Organização das Nações Unidas.

De acordo com este plano, a futura capital israelita situar-se-ia nos subúrbios de Jerusalém "a leste e a norte" do muro israelita.

Em território ugandês, Netanyahu escreveu "História!" no Twitter, tendo o seu gabinete referido que o líder israelita "acredita que o Sudão está a dirigir-se para uma nova e positiva direcção".

"Acordámos começar a cooperação que irá resultar na normalização das relações entre os dois países", referiu Netanyahu.

Terça-feira, Burhan acrescentou que o Sudão continua a apoiar a Palestina enquanto Estado independente.

Citado pela Associated Press, o diplomata palestino Saeb Erekat considerou que a reunião organizada pelo Uganda foi "uma facada nas costas da nação palestina e um desvio do consenso árabe".

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, agradeceu a Burhan "a sua liderança na normalização das relações com Israel", tendo convidado o sudanês a visitar os EUA este ano.

O ministro da Informação do Sudão, Faisal Mohamed Saleh, porta-voz do Governo, referiu que o executivo teve conhecimento da reunião através da comunicação social e que não foi consultado previamente.

O Sudão acolheu a cimeira da Liga Árabe após a guerra de 1967, que ficou famosa por estabelecer os "três nãos": não à paz com Israel, não ao reconhecimento de Israel e não às negociações com Israel.

Assuntos Diplomacia   Sudão  

Leia também
  • 31/01/2020 13:03:05

    Presidente mauritaniano recebe enviado especial de homólogo maliano

    Bamako - O Presidente mauritaniano, Mohamed ould Cheikh El Ghazouani, recebeu em audiência na quarta-feira um enviado especial do seu homólogo maliano, Ibrahim Boubacar Keita, anunciou a Agência Mauritaniana de Informação (AMI).

  • 31/01/2020 10:55:22

    França acusa Turquia de transportar mercenários para Líbia

    Paris - O Presidente francês, Emmanuel Macron, acusa a Turquia de transportar mercenários sírios para a Líbia a fim de apoiar as tropas do Governo de Fayez al-Sarraj, instalado em Tripoli e reconhecido pelas Nações Unidas, anunciou a Pana.

  • 24/01/2020 15:46:01

    Governo do Sudão declara país livre de cólera

    Cartum - O ministério da Saúde do Sudão anunciou que o país está livre de cólera, depois do surto que começou em Setembro, o primeiro desde 2007, segundo o porta-voz do Governo, Faisal Saleh.