Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

18 Maio de 2020 | 11h22 - Actualizado em 18 Maio de 2020 | 11h31

Presidente são-tomense critica inação do Governo para conter covid-19

São Tomé - O Presidente são-tomense, Evaristo Carvalho, acusou o Governo de "nada fazer" para conter a propagação da covid-19, no país, com uma alta taxa de infecção de profissionais de saúde e agentes das forças da ordem, incluindo bombeiros.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente são-tomense, Evaristo Carvalho (Foto arquivo)

Foto: Rosário dos Santos

As críticas de Evaristo Carvalho foram feitas na abertura sábado do seu quarto encontro sobre a covid-19 com outros membros dos órgãos de soberania, do Governo e da sociedade civil.

Na sua intervenção, Evaristo Carvalho questionou o resultado das medidas restritivas, e criticou a actuação do Governo, face ao número crescente de infecções.

“Porquê decretar o confinamento geral da população, fechar o serviço e as pessoas continuam a sair de casa, circulam nos transportes públicos e apesar das medidas restritivas?", questionou.

Evaristo Carvalho enfatizou que o Estado "não pode decretar medidas e depois afastar-se como se nada lhe dissesse respeito".

Interrogou a razão da cerca sanitária observada durante quatros dias, em Água Grande, distrito com a maior densidade populacional do arquipélago, com a finalidade de conter a propagação do vírus, mas “houve circulação massiva da população”.

O Presidente são-tomense,segundo a PANA; indignou-se face à alta taxa de infecção pela covid-19, que actualmente atingiu 246 pessoas, formando uma comunidade de cadeia de transmissão do vírus, no arquipélago de 200 mil habitantes.

Evaristo Carvalho insurgiu-se igualmente contra a infecção entre profissionais de saúde e agentes de segurança pública na linha da frente de combate à doença.

“Declaramos o Estado de Emergência há dois meses, com vista a tomarmos medidas restritivas, visando controlar melhor a propagação do novo coronavírus, no país, entre as quais a quarentena obrigatória dos cidadãos chegados do estrangeiro.

"Ainda não havia registo de casos de contaminação, quando, alguns dias antes, o Governo havia interditado a entrada de cidadãos estrangeiros não residentes", recordou.

O chefe de Estado alertou ainda que as "descoordenações" do Governo em matéria de prevenção da pandemia "criam condições favoráveis à proliferação do vírus.”

Citou como exemplo “a aglomeração de pessoas e feirantes" no novo mercado de Bobo Forro, a três quilómetros da capital, e o funcionamento contínuo das lojas interditas pelo Estado de Excepção decretado pelo Governo.

Segundo o Presidente são-tomense, o desrespeito das medidas ressalta a injustiça do Governo em relação aos operadores económicos mais fracos.

Nesta quarta reunião por ele promovida sobre covid-19, Evaristo Carvalho instou o Governo do primeiro-ministro Jorge Bom Jesus a fazer melhor gestão da ajuda internacional para que esta chegue à toda a população.

Segundo Evaristo Carvalho, a "desorganização" originou o roubo de equipamentos para venda no mercado negro, de máscaras, viseiras, luvas e uniforme para profissionais de saúde, pelo que pediu explicações detalhadas ao Governo.

Leia também