Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

28 Maio de 2020 | 18h46 - Actualizado em 28 Maio de 2020 | 17h52

Ex-Presidente são-tomense critica gestão da crise da covid-19 no país

São Tomé - O ex-Presidente são-tomense (1975-1991 e 2010-2014), Manuel Pinto da Costa, mostrou-se pela primeira vez preocupado pela forma como o Governo está a gerir a crise sanitária da covid-19, no país, que "poderá transformar-se num desastre total", soube-se de fonte oficial em São Tomé

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ex-Presidente de Sao Tomé e Principe Manuel Pinto da Costa (Foto arquivo)

Foto: Miudo

“Estamos a viver uma pandemia extremamente grave para São Tomé e Príncipe e se não soubermos gerir convenientemente bem esta situação vai ser um desastre total do ponto de vista económico, social e político” afirmou Manuel Pinto da Costa, numa entrevista a imprensa, a primeira desde o surgimento da pandemia.

O primeiro Presidente são-tomense prevê que caso as políticas em curso fracassem, surgirá no país uma “desgraça pior que a pandemia” e que o país não está preparado para enfrentar tal situação”

Manuel Pinto da Costa, um dos fundadores do MLSTP-PSD, indicou que as acções do Governo do primeiro-ministro Jorge Bom Jesus” demonstram que o Executivo "não estava preparado para tal", mas que agora "está completamente desorganizado, e improvisando as coisas”.

Enfatizou ainda que “o nível da organização interna, não garante sucesso na luta contra a pandemia.

Pinto da Costa considera que deve haver uma liderança forte neste momento, e alertou que não tem visto onde é que está essa liderança.

O País precisa de ouvir a opiniões de todos, as forças políticas sociais e diáspora”, defendeu em declarações feitas depois da divulgação dos resultados de testes PCR, realizados no Instituto Ricardo Jorge, em Portugal, que fizeram disparar o número de infectados com a covid-19 para 441, incluindo 12 pessoas mortas.

Opinou que depois da realização de testes massivos à população, acredita que haverá mais pessoas infectadas, uma vez que, no seu entender, os que estão em casa não aparecem no sistema nacional de saúde

Na última sexta-feira, Manuel Pinto da Costa, através da sua fundação, fez chegar ao país vários materiais médicos e hospitalares de apoio ao sistema nacional de saúde para combater a pandemia que em dois meses já infectou centenas de São-tomenses.

Leia também