Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

27 Junho de 2020 | 17h46 - Actualizado em 27 Junho de 2020 | 17h46

Bailarina egípcia condenada a três anos de prisão

Cairo - O Tribunal de Crimes Económicos do Cairo, Egipto, condenou hoje uma bailarina a três anos de prisão e ao pagamento de uma multa de 18 mil dólares, por "actos indecentes" ao publicar fotos e vídeos nas redes sociais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

De acordo com a agência de notícia espanhola EFE, a bailarina da dança do ventre Sama el Masry, de 42 anos, foi acusada pelo Ministério Público de "cometer actos indecentes em público", "incitar a prostituição" e "violar os valores familiares da sociedade egípcia".

El Masry foi condenada pelo tribunal a três anos de prisão e a pagar uma multa de 300 mil libras egípcias (18.563 dólares) por "atacar a moral pública" depois de postar fotos e vídeos nas suas redes sociais.

A bailarina foi detida no dia 24 de Abril e as autoridades apreenderam-lhe três telemóveis e um computador portátil, depois de o Ministério Público ter recebido "numerosas reclamações" sobre o conteúdo que a artista havia publicado nas suas redes sociais, segundo a versão oficial.

De acordo com o Ministério Público, a dançarina negou as acusações de que foi alvo e alegou que as imagens foram publicadas depois do seu telemóvel ter sido roubado em Junho de 2019.

Nos últimos meses, as autoridades egípcias detiveram vários artistas e influenciadores acusados de "atacar a moral pública".

Assuntos Egipto  

Leia também