Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

19 Agosto de 2019 | 23h44 - Actualizado em 20 Agosto de 2019 | 16h04

Suíça: Apreensão de marfim atinge 400 toneladas em 10 anos

Genebra (Da enviada especial) - Quatrocentas toneladas de marfim foram apreendidas em diferentes pontos do mundo durante os últimos 10 anos (2008/2017), de acordo com o relatório do Sistema de Informação do Comércio de Marfim (ETIS sigla em inglês).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Fauna angolana - Elefante(Arquivo)

Foto: Tamar Ron

De acordo com o documento exposto na COP18-18ª Conferência das Partes sobre Comércio Ilegal das Espécies da Fauna e Flora Selvagem, o número de casos de apreensão de marfim foram rivalizados com a ETIS de 2017, que observou uma contínua tendência descendente, desde 2015.

A informação a que a Angop teve acesso menciona que a quantidade total de marfim no comércio ilegal, em peso, diminuiu, mas adverte que isso poderia simplesmente reflectir o declínio do peso médio das presas em populações de elefantes altamente explorados.

Em África, os cerca de 144.000 elefantes de savana, o que equivale a 30% das populações desses animais da floresta, diminuíram em mais de 60%.

De 2008 a 2017, as vendas de estoque corresponderam a um aumento abrupto de cerca de 66% na produção ilegal de marfim em dois continentes e um aumento de aproximadamente 71% no contrabando para fora da África.

Em Angola, as autoridades queimaram 1,5 toneladas de marfim, quantidade que no mercado negro podia valer perto de um milhão de euros.

O marfim destruído, entre dentes em bruto e algumas peças trabalhadas, foi apreendido pelo país entre 2016 e 2017 para garantir o compromisso de Angola acabar com a actividade.

O aeroporto 04 de Fevereiro, em Luanda, é  o ponto principal de tentativa de saída deste comércio ilegal, sobretudo para os países asiáticos. A província do Cuando Cubango tem as maiores concentrações de elefantes em Angola.

No quadro dos compromissos assumidos a nível internacional, Angola continua a trabalhar de forma conjunta, para pôr fim a este mercado negro.

Neste âmbito, Angola preside ao Conselho de Ministros sobre a Iniciativa de Protecção (EPI)  na COP18, que decorre de 16 a 28 de Agosto.

Assuntos Ambiente  

Leia também
  • 17/08/2019 22:22:57

    Secretariado da CITES aprova legislação de Angola

    Genebra ( da enviada especial) - A República de Angola passa da categoria 3 para 01, depois de ver aprovada a sua legislação nacional sobre a implementação Convenção sobre o comércio ilegal das espécies da fauna e flora em vias de extinção (CITES).

  • 17/08/2019 12:47:15

    Suíça: COP18 inicia com discussões de propostas regionais

    Genebra ( Da enviada especial)- A 18ª Conferência das Partes sobre Comércio Internacional de Espécies da flora e da fauna ameaçadas de Extinção (COP18), em que Angola participa com uma delegação multisectorial, iniciou neste sábado com as discussões das propostas regionais sobre temas ligados à flora e fauna.

  • 05/08/2019 21:03:52

    Estado do mar

    Luanda - O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET) prevê, até às 18h00 desta terça-feira (06), para as quatro regiões litorais de Angola, as seguintes condições climatéricas para a navegação marítima: