Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

06 Dezembro de 2017 | 17h57 - Actualizado em 06 Dezembro de 2017 | 17h57

Boxe: Presidente da Faboxe discorda da criação de organismo profissional autónomo

Luanda - O presidente da Federação Angolana de Boxe (Faboxe), Carlos Luís, manifestou hoje, em Luanda, a sua indignação pelo facto de alguns agentes projectarem a criação de um organismo profissional autónomo, contrariando o disposto na legislação desportiva vigente.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Combate de boxe

Foto: ANTONIO ESCRIVAO



 

Em reacção à intenção da criação do futuro organismo para coordenar as acções do extra amador, por parte de alguns agentes da modalidade, Carlos Luís referiu à Angop que a tutela da modalidade, quer amador quer profissional, é da sua instituição, sendo que qualquer outro proponente que tenciona faze-lo, independentemente, estaria a infringir a lei.

“Tenho conhecimento que algumas pessoas pretendem criar uma associação sem vínculo ao órgão reitor da modalidade. A federação não aprova nem concorda com a iniciativa. A lei prevê que o organismo autónomo do boxe profissional seja dependente da FABOXE. Por isso, caso queiram ser promotores do boxe profissional devem solicitar a inscrição na FABOXE, para a realização de eventos da especialidade”, explicou.      
 

Por sua vez, o membro da comissão instaladora do futuro organismo profissional autónomo, o antigo pugilista Simão Muanda, anunciou estarem a trabalhar de momento na criação das associações provinciais de Luanda, Cabinda e Uíge, para posteriormente darem corpo à futura Associação Nacional de Boxe Profissional.


Apontando como previsão Janeiro de 2018, o ex-campeão da Região Austral de África (SADC) indica como objectivos da associação a dinamização do profissionalismo no país, que considerou estar inactivo, preparação e projecção de pugilistas angolanos nas competições africanas e mundiais, bem como a classificação no ranking internacional.

Defendeu também a necessidade de um relacionamento harmonioso com a FABOXE, apesar da autonomia, em função do profissionalismo depender de atletas amadores em transição para outra fase da carreira desportiva, entre outras.

Enfatizou que o artigo 29º da Lei das Associações Desportivas prevê a criação de organismos autónomos para o desporto profissional, por isso apelou aos clubes maior aposta na formação de atletas para o boxe amador a fim de dar sustentabilidade ao profissionalismo.

"Ultimamente, temos visto que os clubes não apostam na formação; querem atletas feitos. Estamos a apelar que haja uma aposta na formação. Um atleta que não tenha uma boa formação e passagem pelo boxe amador tem poucas possibilidades de singrar no boxe profissional", sustentou.  

A Comissão Instaladora já efectuou uma visita de trabalho à África do Sul, em busca de parcerias com congéneres locais, e anunciou, para breve, a deslocação para a República Checa e Portugal com o mesmo objectivo.

Após concretização, poderão filiar-se na associação agentes do boxe profissional, como atletas, árbitros, treinadores, managers e promotores.          

A legislação desportiva, no seu capítulo V (Desporto Profissional), artigo 29.º (Organismo Autónomo), prescreve que o Organismo Autónomo é o órgão da federação que exerce, por delegação desta, as competências relativas às competições de natureza profissional, nomeadamente:

Organizar e regulamentar as competições de natureza profissional, respeitando as regras técnicas definidas pelos competentes órgãos federativos nacionais e internacionais. Exercer, relativamente aos seus associados, as funções de controlo e supervisão que sejam estabelecidas na Lei ou nos respectivos estatutos e regulamentos.     

Definir os pressupostos desportivos, financeiros e de organização de acesso às competições profissionais, bem como fiscalizar a sua execução pelas entidades nelas participantes. O organismo autónomo elabora e aprova os respectivos regulamentos de arbitragem e disciplina que submete à ratificação pela assembleia geral da federação.             

O organismo autónomo é constituído pelo agrupamento de clubes e de sociedades desportivas profissionais, sob a forma de associação sem fins lucrativos, dotada de personalidade jurídica e autonomia administrativa, técnica e financeira.

Nas modalidades individuais, o organismo autónomo integra obrigatória e exclusivamente todos os praticantes desportivos profissionais.                   
 

Assuntos Boxe  

Leia também
  • 24/10/2018 17:35:34

    Boxe: Agentes já podem adquirir ringues de qualidade fabricados no país

    Luanda - Promotores e agentes desportivos poderão, a partir de Novembro próximo, adquirir ringues de boxe fabricados no país, evitando a importação e dispêndio de divisas, informou hoje o responsável pela equipa de produção do material, o antigo pugilista Simão Muanda.

  • 15/08/2018 18:00:57

    Boxe: Pugilistas angolanos competem a partir de 2019 na Liga Profissional

    Luanda - Pugilistas angolanos poderão competir, a partir do próximo ano, na Liga Profissional de Boxe (WSD), para que possam dignificar o nome do país e atingir níveis altos na especialidade, garantiu à Angop, em Luanda, o presidente da federação da modalidade (FABOXE), Carlos Luís.

  • 15/08/2018 17:51:36

    Boxe: Floyd Mayweather poderá visitar Angola ainda este ano

    Luanda - A antiga estrela do boxe mundial Floyd Mayweather poderá visitar o país no final deste ano, com objectivo de auxiliar os pugilistas nacionais na criação de condições e requisitos para participação em provas da Associação Internacional de Boxe (AIBA), garantiu hoje, em Luanda, o presidente da Federação Angolana de Boxe, Carlos Luís.

  • 17/02/2018 21:18:52

    Boxe: Operação bancária trava defesa do título Zonal

    Luanda - Atraso na operação bancária inviabilizou a participação da selecção nacional de boxe no Campeonato Africano da Zona 4, de 20 a 24 deste mês em Maputo (Moçambique), onde devia defender o título conquistado em 2017.