Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

08 Novembro de 2018 | 10h44 - Actualizado em 08 Novembro de 2018 | 11h56

BNA defende políticas económicas e decisões assertiva

Malanje - O Banco Nacional de Angola (BNA) está a disponibilizar mensalmente à economia entre 550 a 600 milhões de dólares, daí o seu governador, José Massano, ter defendido quarta-feira em Malanje a necessidade da classe empresarial ajustar-se à actual realidade económica do país, com políticas económicas e decisões de negócios assertivas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Do valor médio disponibilizado, USD 250 milhões destinam-se a bens alimentares, 100 milhões para salários de trabalhadores expatriados, 160 para viagens, além da procura de divisas para telecomunicações, medicamentos, equipamentos, viaturas, peças sobressalentes e outras.

Ao intervir durante um encontro com empresários locais, o gestor pediu mais empenho da classe empresarial, para fazer face ao contexto macroeconómico adverso que o país vive.

Referiu que a disponibilização de mais divisas não pode ser o único meio para reanimar a economia, tendo em conta as limitações do BNA.

 “Adormecemos no tema do acesso aos dólares”, acrescentou o governador, tendo lembrado que a actual realidade do país requer um sector empresarial mais interventivo, organizado e orientado para produção, a fim de propiciar um crescimento económico sustentável e livre das oscilações.

Com isso, frisou, estar-se-ia igualmente a reduzir as importações, que são grandes consumidores de divisas. Exemplificando que o país gasta, mensalmente, 50 milhões de dólares norte-americanos só na importação de carnes, situação que seria evitada caso os empresários apostassem neste sector.

Ainda em relação às divisas, José de Lima Massano referiu que o BNA está a trabalhar na melhoria das relações entre os bancos comerciais e os respectivos clientes, com base no Programa de Estabilização Macroeconómica.

Informou que 26 por cento do crédito concedido à economia, particularmente ao sector privado, encontra-se em situação irregular, resultantes das dívidas contraídas junto das mesmas, onde se inclui o próprio Estado que, às vezes, também não honra a tempo as suas obrigações.

Outrossim, o responsável disse estarem a trabalhar na redução da taxa de inflação até ao final deste ano na ordem dos 18 por cento, cifra mais baixa dos últimos três anos, com vista a garantir um ambiente favorável aos investimentos.



 

Assuntos Banco  

Leia também
  • 08/11/2018 16:42:34

    BPC aposta na construção de novas agências

    Luanda - O Banco de Poupança e Crédito (BPC) vai construir, nos próximos tempos, novas agências bancárias nos municípios de Viana e Cacuaco, província de Luanda e em outras regiões do País que registam um significativo crescimento populacional.

  • 31/10/2018 16:32:45

    Banco de Poupança e Crédito inicia processo de concessão de crédito

    Luanda - O Banco de Poupança e Crédito (BPC) tem disponível cerca de 120 milhões de dólares, para financiar projectos de empresas (principalmente pequenas e médias empresas) e também algumas ligadas ao micro-crédito, informou hoje em Luanda, o seu presidente do conselho de administração da instituição, Alcides Safeca.

  • 22/10/2018 11:43:24

    BNA adverte bancos a observar regras do pagamento antecipado

    Luanda - O Banco Nacional de Angola (BNA) vai sancionar os bancos comerciais que não observarem as regras aplicáveis às operações cambiais de pagamentos antecipados e ficarão impedidos de realizar novas operações cambiais de importação de mercadorias.