Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

14 Junho de 2018 | 11h20 - Actualizado em 14 Junho de 2018 | 11h54

Diversificação económica requer boas práticas da actividade inspectiva

Luanda - O sucesso da estratégia para diversificação da economia e o fomento das exportações requerem a observância de boas práticas na actividade inspectiva, com impacto no trabalho da administração pública, das empresas produtoras de bens e prestadoras de serviços, declarou hoje o ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Frederico Cardoso.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Frederico Cardoso

Foto: Joaquina Bento

As boas práticas constituem valores agregados à melhoria do ambiente de negócios, da produtividade e da competitividade, segundo o ministro de Estado que discursava na abertura do workshop sobre “A contribuição da acreditação para o aumento da confiança na actividade inspectiva”, numa promoção do Instituto Angolano de Acreditação do Ministério da Indústria.

Reconheceu existir ainda muitos desafios a enfrentar e a vencer por Angola para que tenha lugar a sua integração numa região com um mercado de cerca de 300 milhões de habitantes, bem com nas demais iniciativas integracionistas do Continente africano, como a futura Zona de Comércio Livre Continental.
 

Para Frederico Cardoso, no quadro da adesão de Angola à Zona de Comércio Livre Continental, o estabelecimento de um sub-sistema de avaliação da conformidade, que seja transparente e desenvolvido de acordo com os requisitos regionais e internacionais, constitui um pressuposto importante para a sua inserção gradual e plena neste mercado regional cada vez mais pujante e dinâmico.
 

De acordo com o governante, a experiência do funcionamento dos mercados da era moderna revela que o reconhecimento das competências técnicas das instituições, através da acreditação, promove a confiança e a legitimidade dos organismos de avaliação da conformidade, na sua complexa missão de garantirem o cumprimento das normas e dos regulamentos técnicos, por arte dos produtores e dos prestadores de serviço.

Assuntos Economia  

Leia também