Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

12 Junho de 2018 | 19h09 - Actualizado em 12 Junho de 2018 | 19h09

Emissão de 3 mil milhões demonstra a confiança dos investidores em Angola

Luanda - A revista britânica The Economist afirma que a emissão de três mil milhões de dólares da dívida pública angolana demonstra confiança no país por parte dos investidores.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Reformas económicas do Presidente João Lourenço estão atrair investidores

Foto: Francisco Miudo

A Economist Intelligence Unit (EIU) considera que o nível de licitações e o volume de dívida pública colocado no mercado pelo Governo de Angola comprovam a confiança dos investidores na política económica do Presidente, João Lourenço.

“O facto de ter havido mais 500 investidores com ofertas de nove mil milhões de dólares, no total, e taxas de juro mais baixas do que o esperado, reflete a confiança aumentada na política local”, escrevem os peritos da unidade de análise económica da revista britânica The Economist.

Numa nota sobre a emissão de dívida do mês Maio, a EIU lembra que Angola é o quarto país africano, depois da Nigéria, África do Sul e Gana, a emitir dívida com maturidade a 30 anos, e salienta o interesse dos investidores internacionais no segundo maior produtor de petróleo em África.

“Desde que João Lourenço chegou ao poder, no final de 2017, o Governo embarcou numa série de programas de reforma económica, prometendo combater o tema sempre presente da corrupção”, escrevem, notando que esta promessa, em conjunto com “o envolvimento crescente das autoridades com o Fundo Monetário Internacional (FMI), e o ligeiro fortalecimento dos preços do petróleo, serviu para aumentar o interesse dos investidores”.

Este interesse, no entanto, não apaga os riscos que a economia angolana ainda enfrenta, nota a EIU, apontando que a decisão de ir ao mercado angariar dois mil milhões de dólares “mostra a crescente necessidade de financiamento externo devido ao impacto do preço do petróleo, que continua bem abaixo dos níveis de 2014”.

A descida dos preços desde 2014 “significa menores receitas e o país, que depende do petróleo para metade do PIB, teve de cortar a fundo na despesa pública, o que levou a um abrandamento no sector privado, que está fortemente dependente dos contratos governamentais”.

Segundo o Plano Anual de Endividamento, o Governo planeia financiar-se em cerca de 30 mil milhões de dólares este ano para garantir as necessidades da despesa e servir a dívida, o que levará o rácio da dívida sobre o PIB para 60%, o limite superior definido na lei angolana, conclui a EIU.

Angola voltou, no princípio de Maio, aos mercados internacionais, emitindo três mil milhões de dólares, dividido em duas tranches, com prazo de 10 e 30 anos. No prazo a 10 anos, o país endividou-se em 1,75 mil milhões, pagando 8,25% de juros, e no prazo mais longo, foi emitido o restante montante (1,25 mil milhões), à taxa de juro de 9,375%.

Assuntos Economia  

Leia também
  • 12/06/2018 18:36:01

    Secretário de Estado recomenda exploração racional da madeira

    Menongue - A exploração da flora deve ter em conta o corte e a vertente reflorestação para a proteção do meio ambiente orientou hoje, em Menongue, província do Cuando Cubango, o secretario de Estado para os Recursos Florestais, André de Jesus Moda.

  • 12/06/2018 18:33:36

    Municípios devem projectar arrecadação de receitas

    Malanje - As administrações municipais devem projectar as suas capacidades de arrecadação de receitas e apresentá-las à conta única do tesouro, com vista a contribuir para a robustez orçamental, no quadro das novas metodologias de concepção do OGE (Orçamento Geral do Estado).

  • 12/06/2018 18:28:06

    Entreposto da madeira contribui na arrecadação de receitas

    Menongue - O entreposto de fiscalização e comércio de madeira, a ser construído ainda este ano no Cuando Cubango, num investimento de cinco milhões de dólares, vai contribuir na arrecadação de receitas para o país, declarou hoje o governador provincial, Pedro Mutindi.