Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

11 Julho de 2018 | 16h16 - Actualizado em 11 Julho de 2018 | 16h15

Agrónomo defende redefinição das políticas no sector da Agricultura

Saurimo - O desenvolvimento da agricultura deve começar com pequenos projectos, transformando os camponeses em produtores agrícolas com foco para o mercado, tendo acesso ao conhecimento e à tecnologia, defendeu hoje, quarta-feira, em Saurimo, o agrónomo Carlos Camute.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Produção agrícola

Foto: Diniz Simão

“O grande erro é nós começarmos a pensar a desenvolver grandes projectos agrícolas, em vez de gastar, por exemplo, 400 milhões de dólares num só, deveríamos fazer 400 pequenos projectos de um milhão de dólares cada”, sugeriu, em declarações à Angop, a propósito das potencialidades agrícolas da Lunda Sul.

O agrónomo disse ser igualmente necessário redefinir a política de criação de cooperativas agrícolas, bem como dos circuitos de cedência de crédito aos produtores.

Para ele, as cooperativas agrícolas devem ser de estilo empresarial, capazes de organizar os produtores por ramo de actividade, negociar com os bancos para financiamento de projectos e arranjar mercado para comercialização dos produtos.  

Acrescentou que não deve ser o Governo a comprar produtos agrícolas aos camponeses, através da criação de projectos como foi o Papagro, esta responsabilidade deve ser do sector privado.

A função do Estado, prosseguiu, é criar condições para que o produtor comercialize seus produtos, criando circuitos de comercialização funcionais, com a reabilitação das vias de acesso e electrificação do país, visando estimular o sector agro-industrial.

Carlos Camute considerou que numa altura em o país debate-se com problemas financeiros, deve se apostar em projectos de atracção animal, para trabalhar a terra.

“Um boi não precisa de combustível, lubrificantes, mecânicos, precisa apenas comer capim e ser treinado para preparar terra”, acrescentou, revelando que um boi tem a capacidade para preparar um hectare de terra/dia, quase o mesmo que um tractor faz.

Salientou que a província da Lunda Sul tem condições edafo climáticas favoráveis para produzir manga, maracujá, goiaba, abacate, ananás, arroz, algodão e tabaco, cujas colheitas são feitas de Dezembro a Maio.

Leia também
  • 10/07/2018 19:22:38

    Camponeses do Hote preveêm aumento da colheita de milho

    Sumbe - Cerca de 95 toneladas de milho é a quantidade de produtos que os camponeses esperam colher este ano na localidade do Hote, município do Sumbe, província do Cuanza Su. Esta cifra representa um aumento de 25 toneladas comparativamente a 2017.

  • 10/07/2018 17:14:16

    Avicultores precisam de USD 50 mil para instalar fábrica de ração

    Saurimo - Cinquenta mil dólares norte-americanos é o valor que os avicultores das províncias da Lunda Sul e Moxico precisam para instalar uma fábrica de ração a fim de apoiar os empresários do sector, disse hoje o representante da Associação Nacional de Avicultores na região, Carlos Camute.

  • 09/07/2018 13:17:09

    "Fazenda 27" investe USD 35 milhões nos sumos

    Luanda - Trinta e cinco milhões de dólares norte-americanos foram investidos, no município do Waku Kungo, província do Cuanza Sul, na construção e apetrechamento de uma fábrica de produção de sumos, leites e derivados de tomate, pertencente à "Fazenda 27".