Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

11 Outubro de 2018 | 16h10 - Actualizado em 11 Outubro de 2018 | 16h10

Plano de Ordenamento das Pesca e Aquicultura chega ao Bengo

Caxito - O Plano de Ordenamento das Pescas e Aquicultura 2018-2022 (Popa), que visa promover o desenvolvimento equilibrado e sustentável do sector a nível nacional, foi apresentado hoje, quinta-feira, em Caxito, aos membros do governo local, representantes dos armadores, aquicultores, associações e cooperativas de pescas do Bengo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bengo: Apresentação do Plano de Ordenamento das Pescas e Aquicultura 2018-2022

Foto: Adão João Pedro

No acto de apresentação pública, o director do Instituto Nacional de Apoio as Industrias de Pescas, Manuel Fernandes, disse que o Popa visa promover a coesão e unidade nacional, a criação de emprego, melhoria da qualidade de vida das populações, o combate à fome e à pobreza, bem como a segurança alimentar e nutricional.

Realçou que para tornar o sector pesqueiro competitivo é preciso contar com indústrias competitivas a nível nacional e um das atribuições do governo é a criação de condições necessárias para que essas indústrias consigam competir a nível regional e internacional.

Segundo Manuel Fernandes, para que o sector das pescas e aquicultura contribuam efectivamente para o desenvolvimento económico e social é necessário que os diferentes sub-sectores estejam equilibrados ente si, evitando estrangulamento no processo ou desperdício do investimento.

Sobre as medidas de ordenamento, disse, que o POPA procura orientar o desenvolvimento do sector no sentido de rentabilizar e reforçar os pontos fortes e eliminar ou melhorar os pontos fracos, afastando os principais estrangulamentos á sua sustentabilidade social, ecológico e económica. 

  Frisou que para salvaguardar a sustentabilidade dos recursos pesqueiros e da indústria que deles depende, o Popa permitirá reforçar o controlo do acesso aos recursos, bem como da capacidade e reforço de pesca, que passam a ser definidas em termos de potência e arqueação total as embarcações licenciadas e ser definidas num plano pluri-anual.

Durante o período de vigência o Popa vai priorizar a aquicultura de águas interiores, promovendo a cultura de espécies nativas como o bagre e a tilápia (cacusso), assim como terá uma particular atenção à protecção da qualidade e integridade do ambiente aquático.

Apoio à indústria transformadora e salineira com a construção de salinas em zonas de interesse regional, comércio e distribuição de pescado e sal, através do reforço do sistema de interpostos, formação profissional especializado, dedicado ao sector das pescas e aquicultura e áreas associadas constam dos objectivos do Popa.

Ao intervir no acto, o vice-governador provincial do Bengo para o sector político, social e económico, António Martins destacou a importância do POPA, que visa recolher contribuições dos vários órgãos do estado e das instituições públicas e privadas, bem como da sociedade civil para que o referido plano seja exequível e possa alcançar os objectivos pelos quais foi concebido.

O responsável agradeceu o Ministério das Pescas e do Mar pela promoção deste acto no Bengo, tendo sublinhado que o documento permitirá a inserção do país no contexto regional e internacional, através da regulamentação e coordenação da actividade pública e privada do sector.

  

Assuntos Província » Bengo  

Leia também
  • 31/01/2019 02:14:10

    Projecto de ouro arranca na província do Bengo

    Caxito - O projecto de ouro denominado "TIANDAIMANING", na comuna do Ngombe, município de Nambuangongo, província do Bengo, numa área de cinco quilómetros quadrados, prevê entrar em actividade em Agosto deste ano, com uma produção anual, na primeira fase, de 180 quilogramas.

  • 30/01/2019 01:14:52

    Salineiras do Ambriz necessitam de 60 milhões de Kwanzas

    Caxito - As salineiras Capulo, Natércia e Filhos no município do Ambriz, província do Bengo, necessitam de cerca de 60 milhões de Kwanzas para pôr em funcionamento 24 hectares que estão sem produzir.

  • 29/01/2019 17:49:19

    Pescadores chineses e vietnamita condenados por pesca ilegal

    Caxito - Cinco cidadãos chineses e um vietnamita, comandantes de embarcações que exerciam ilegalmente a pesca na Barra do Dande, foram condenados pelo Tribunal Provincial do Bengo a pena de um mês de prisão e a expulsão do país.

  • 22/01/2019 23:14:52

    Apreendidas catorze embarcações no Bengo

    Caxito - Catorze embarcações com licenças de pesca revogadas, por não reunirem as condições higieno-sanitárias, acomodação e conservação de pescado, foram apreendidas na província do Bengo, no âmbito da operação “Mar Seguro”, que decorre desde Dezembro último no país.