Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

10 Setembro de 2019 | 13h40 - Actualizado em 10 Setembro de 2019 | 17h30

Sector eléctrico pode atingir 600 MW de energia solar até 2022

Luanda - O ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, anunciou hoje, em Luanda, que o país terá uma capacidade de 600 megawatts de energia solar até 2022.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

João Baptista Borges - Ministro da Energia e Águas

Foto: Gaspar dos Santos

O governante, que discursava no acto de abertura da palestra sobre Energias Renováveis, realizada pela embaixada dos EUA em Angola, informou que o Plano de Segurança Energética aponta para uma capacidade de cerca de 600 megawatts de energia solar no país até 2022, com a instalação de cerca de 30 mil sistemas individuais de produção de energia fotovoltaica, uma meta alcançável com a participação do sector privado.

Para si, a expansão do processo electrificação de energia renováveis vai permitir aumentar a taxa de acesso a electricidade a menos de metade da população tem acesso a este bem, particularmente, as áreas periféricas, rurais e recônditas do país.

O país, disse, tem recursos para a produção deste tipo de energia, a solar é actualmente tem um custo cada vez mais competitivo e é sem dúvidas uma solução para a electrificação do país, quer na componente individual, quer no geral reforçando a capacidade que o país já dispõe, entre hídricas e térmicas.

 “Há a necessidade de se criar um veículo que permita assegurar a captação de financiamentos para a electrificação das zonas rurais, que é a Agência Nacional de Electrificação Rural instrumento cuja criação está prevista na Lei Geral de Electricidade, por ser o órgão que vai interagir com os investidores privados”, explicou.

Por seu turno, directora Nacional de Energias Renováveis, Sandra Cristóvão disse que actualmente a capacidade instalada é de cerca de 14 mega watts, entre sistemas isolados e híbridos de energia solar.

No quadro do Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018-2022, com a participação do sector privado o país prevê atingir os cerca de 600 mega watts, em energia solar, eólica e de biomassa.

Para o parque eólico do Tômbwa, a responsável disse estar os estudos todos concluídos, desde a localização dos recursos, o que falta é a rede que vai ecoar a energia que eventualmente venha a ser produzida no parque, nesta altura está aberto ao sector privado para avançar os projectos.

Para a embaixadora dos EUA em Angola, Nina Maria Fite, o seu país investe muito neste sector e desde 2008 a geração energia solar cresceu dois milhões de megawatts-hora para 96 milhões megawattas-hora em 2018. O total da capacidade instalada cresceu de menos um gigawatt, em 2008, para mais de 67 gigawatts, em 2019 o que equivale a mais de 67 grandes centrais eléctricas alimentadas a gás natural ou a carvão.

Acrescentou que nos próximos cinco anos os EUA mais do que duplicar a capacidade instalada de energia solar. Os EUA prevêem também instalar mais 15 gigawatts de energia solar por ano, até 2024.

Assuntos Energia  

Leia também
  • 07/09/2019 17:16:59

    Sistema norte repõe fornecimento de energia

    Luanda - O fornecimento de energia no sistema norte, que alimenta dez províncias do país, está parcialmente reposto, depois do corte geral registado as 14h00 deste sábado.

  • 07/09/2019 16:34:19

    Sistema norte regista corte geral de energia

    Luanda - O sistema norte de produção de energia registou nas duas últimas horas um corte geral (black out), por causas ainda desconhecidas.

  • 05/09/2019 14:58:04

    Minea quer boas práticas de gestão nas empresas

    Luanda - As empresas afectas ao Ministério da Energia e Águas (Minea) devem adoptar as boas práticas de gestão, com vista a permitir maior sustentabilidade empresarial, defendeu nesta quinta-feira, em Luanda, o titular da pasta, João Baptista Borges.