Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

01 Julho de 2020 | 18h35 - Actualizado em 01 Julho de 2020 | 20h42

Angola vai produzir mais de 13 milhões de toneladas de tubérculos até 2022

Luanda - Angola poderá registar um aumento da produção agrícola e alcançar até 2022 as 13,5 milhões de toneladas de raízes e tubérculos, segundo o ministro da Agricultura e Pescas, Francisco de Assis.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ao falar terça-feira no espaço “Grande Entrevista”, da Televisão Pública de Angola (TPA), o ministro disse que as projecções apontam para três milhões de toneladas de cereais até 2022, superando as actuais 2,5 milhões de toneladas.

Actualmente, o país está com uma produção que ronda as 10 milhões de toneladas de raízes e tubérculos, de acordo com os últimos dados do sector.

Em relação às leguminosas, assegurou que o sector poderá sair das 513 mil toneladas, para as 700 mil e 79 toneladas.

Segundo o titular da pasta, dentre os vários desafios que o sector enfrenta, destaque para a sustentabilidade das famílias camponesas.

Apontou como dificuldades, a falta de capital humano adequado às necessidades actuais, pois o país ainda tem muitas insuficiências, mas sublinhou que o sector está a trabalhar na melhoria das técnicas e multiplicá-las em todo país.

“A formação de quadros condiciona o sucesso, porquanto pode haver máquinas e material tecnológicos, a qualidade do capital humano é o único pressuposto que consegue dar respostas credíveis à demanda no sector agrícola”, observou.

Disse não ser possível desenvolver a agricultura sem logística em condições (insumos) e um quadro que permita que os preços dos insumos sejam competitivos.

Lembrou que Angola necessita de pelo menos 60 mil toneladas de fertilizantes anuais, mas, no caso, sem ruptura.

Actualmente, Angola importa os fertilizantes utilizados no processo produtivo, uma prática que, na visão do governante, deve ser reduzida, com a atracção de empresas que possam produzir localmente os fertilizantes.

Para o efeito, disse ser necessário juntar sinergias para impulsionar o investimento estrangeiro no país.

Considerou ainda que, para melhorar igualmente o ambiente de negócios no sector, deve-se estimular o surgimento de grandes armazéns para conservação dos produtos agrícolas.

Assuntos Agricultura  

Leia também