Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

07 Julho de 2020 | 21h25 - Actualizado em 07 Julho de 2020 | 21h25

Pescado do navio Olutorsky começou a ser descarregado

Lobito - Quatro dias depois, o impasse que impedia a descarga das 800 toneladas de carapau, apreendidas ao navio ucraniano Olutorsky, no Lobito, foi resolvido, nesta terça-feira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Pescado apreendido ao navio ucraniano

Foto: Carlos Benedito

A operação de descarga, que só arrancou logo após a recepção da notificação do ministro da Agricultura e Pescas,  António Francisco de Assis, exigida pelo armador do navio, envolve 10 camiões que estão a transportar o pescado confiscado para armazéns da cidade de Benguela.

Entretanto, a nota do ministro angolano da Agricultura e Pescas, sustentada pelo artigo 234 da Lei nº 6-A/04 de 08 de Outubro, indica que a multa de 506 milhões, 352 mil e 10 kwanzas aplicada  inclui dez por cento a creditar à província de Benguela, por as infracções terem ocorrido no Porto do Lobito.

Na ocasião, o segundo comandante provincial da Polícia Nacional em Benguela, subcomissário Joaquim Ribeiro, recepcionou o documento do Ministério da Agricultura e Pescas sobre a confirmação do confisco do peixe apreendido ao navio “Olutorsky” e a multa referenciada.

Em declarações à imprensa, o oficial da Polícia Nacional disse que a nota foi uma exigência do armador do navio durante as negociações , mas só depois das 15 horas o primeiro, dos dez camiões, começou a receber a carga.

Explicou que, apesar dos constrangimentos criados pelo capitão do navio, Valkovlski Sergei, de nacionalidade russa, durante quatro dias, as negociações foram conseguidas devido ao respeito às leis nacionais e às convenções internacionais.

Aproveitou para felicitar toda a equipa envolvida no processo de negociação, especialmente o Posto de Comando da Polícia Fiscal, pela paciência e inteligência na gestão do impasse.

Apesar de violar a lei ao capturar mais de 800 toneladas de carapau em tempo de veda daquela espécie pelágica em águas nacionais, o navio “Olutorsky”, sob bandeira camaronesa, com 90 tripulantes a bordo, entre russos e ucranianos, está autorizado a pescar em águas nacionais do território angolano, sob a licença número “CDP000000060”, passada pelo Ministério da Agricultura e Pescas.

O navio pesqueiro foi multado primeiro pelo facto de pescar o carapau em período impróprio e pela falsificação de dados em relação às quantidades capturadas, agravada pela recusa do capitão em autorizar a descarga do produto, orientado pelo Serviço de Fiscalização Pesqueira.

É a primeira vez que um navio pesqueiro de grande porte, como o “Olutorsky”, é apreendido no Lobito com grandes quantidades de pescado e a tripulação condiciona a descarga.

A proibição, por parte do Ministério da Agricultura e das Pescas, da captura do carapau no período de veda, que vai de 1 de Junho até 31 de Agosto, tem como finalidades a conservação e recuperação da biomassa dessa espécie.

Assuntos Pesca   Província » Benguela  

Leia também
  • 07/07/2020 21:14:01

    Autoridades multam navio ucraniano em AKZ 500 milhões

    Lobito - Cerca de 500 milhões de kwanzas é a multa a ser paga pelo armador do navio pesqueiro ucraniano "Olutorsky", de bandeira camaronesa, pela pesca de mais de 800 toneladas de carapau, em tempo de veda da espécie pelágica.

  • 07/07/2020 12:07:51

    Descarga do navio ucraniano será coerciva

    Lobito - As 800 toneladas de peixe carapau, confiscadas pelas autoridades angolanas ao navio pesqueiro ucraniano "Olutorsky", podem ser descarregadas esta terça-feira, de forma coerciva, após quatro dias de resistência, por parte da tripulação.

  • 05/07/2020 12:27:47

    Lobito pode ganhar primeiro matadouro

    Lobito - O município do Lobito, na província de Benguela, poderá contar, nos próximos tempos, com o primeiro matadouro moderno da cidade "ferro-portuária", para o abate de animais em condições higiénicas recomendadas pelas autoridades veterinárias e sanitárias, apurou a ANGOP.