Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

14 Junho de 2018 | 16h15 - Actualizado em 14 Junho de 2018 | 16h15

Docentes do Instituto Superior Politécnico Atlântida em seminário cientifico

Luanda - Oitenta docentes do Institutos Superior Politécnico Atlântida de Luanda, Instituto Superior Politécnico do Luena e do Instituto Teológico de Cabinda participam de uma acção formativa sobre investigação cientifica, no âmbito de um protocolo de capacitação com a Universidade Lusófona de Lisboa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Docentes participantes no seminário de investigação científica

Foto: Cedida

ISPAtlântica

Foto: Cedida

Durante seis dias, os formandos aobrdam questões  ligadas a  ética da  investigação, metodologia da investigação, preparação de teses e monografia, assim como elaboração de trabalhos em grupo.

Em declarações à Angop, o prelector da acção formativa José  Brito, docente da Universidade Lusófona de Lisboa, defendeu a necessidade dessa acção formativa  por contribuir no aumento do seu grau académico  em mestrado e doutoramento e neste contexto necessitarem de fazer monografias teses e dissertações.

Para o interlocutor, este pressuposto implica fazer investigação científica que deve respeitar alguns parâmetros como a ética, metodologia, entre outros.  

Disse que o seminário  tem uma componente prática em que se consubstancia em exercícios  em grupos para desenvolver determinados estudos de caso.

Manifestou a disponibilidade da Universidade  Lusófona de  Lisboa em fornecer obras  de pesquisa  a biblioteca do Instituto Superior Politécnico  Atlântida com o  objectivo de facilitar a investigação científica, apesar de ser da opinião de que deve abordar mais  questões  práticas que  teóricas.

O  director geral adjunto para  a área científica  do Instituto Superior Politécnico  Atlântica,  Nsambu  Vicente, afirmou que  há conhecimentos que passam do empirismo para  o científico, tornando-se necessário que se cumpram  certas normas.

A acção serve para munir os  docentes de ferramentas metodológicas  partindo do princípio de que  ninguém  dá o que não  tem  e por essa razão são orientados para melhor dirigir os seus estudantes.

Apontou como um dos desafios do Instituto Superior Politécnico Atlântida a investigação científica com o objectivo de  estar  no ranking das melhores universidades do continente africano.

O Instituto Superior Politécnico Atlântida entrou em funcionamento em 2013 e conta com três mil alunos que estão a frequentar os cursos de Enfermagem, Análises Clínicas, Farmácia, Direito, Gestão de Recursos Humanos, Relações Internacionais, Gestão de Empresas, Gestão e Contabilidade, Economia, Psicologia e Pedagogia.

Assuntos Angola   Ensino Superior  

Leia também
  • 15/06/2018 16:12:01

    ISPTEC e Contabilistas apostam na formação de quadros

    Luanda - Um protocolo destinado a alavancar a cooperação para o desenvolvimento do ensino, da formação profissional e prática da contabilidade, bem como a promoção e divulgação da área contabilística foi hoje, sexta-feira, assinado pelo Instituto Superior Politécnico de Tecnologias e Ciências (ISPTEC) e a Ordem dos Contabilistas de Angola (OCPCA).

  • 13/06/2018 15:24:00

    Huíla acolhe 1ª Conferência Internacional sobre Sudoeste Angolano

    Lubango - A província da Huíla acolhe, nos dias 27 e 28 do mês em curso, na cidade do Lubango, a 1ª Conferência Internacional sobre o Sudoeste Angolano, Valências e Saberes Endógenos, uma organização do Centro de Investigação e Desenvolvimento Educacional (CIDE) do Instituto Superior da Educação (ISCED-Huíla).

  • 13/06/2018 14:30:15

    Ministra apela à denúncia de fraude para ingresso nas universidades

    Sumbe - A fraude, amiguismo e nepotismo para o ingresso numa universidade no país é um "mal que está generalizado", pelo que toda a sociedade deve estar envolvida no combate ao mesmo, para que haja um ensino de qualidade, apelou, hoje (quarta-feira), no Sumbe (Cuanza Sul), a ministra do Ensino Superior, Maria Bragança Sambo.