Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Institucional

13 Fevereiro de 2018 | 21h51 - Actualizado em 13 Fevereiro de 2018 | 21h51

Interferência russa ameaça eleições de 2018- diz inteligência dos EUA

Washington- Os líderes da comunidade americana de inteligência expressaram, nesta terça-feira, diante do Senado, sua convicção de que a interferência contínua da Rússia representa uma ameaça às eleições legislativas deste ano nos Estados Unidos, publicou a AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"As eleições de meio de mandato nos Estados Unidos são um alvo potencial para as operações de influência por parte da Rússia", disse o director nacional de Inteligência, Daniel Coates, em uma afirmação apoiada unanimemente pelos líderes de outros órgãos de segurança.

Os dirigentes dos seis principais órgãos de vigilância e espionagem foram questionados, nesta terça-feira, pelo Comité de Inteligência do Senado sobre as principais "ameaças globais" para os Estados Unidos e a alegada ingerência russa se manteve entre os principais assuntos.

Todos eles reafirmaram a vigência de um relatório de inteligência divulgado, em 2017,  sobre a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016 e indicaram que isso poderia voltar a acontecer neste ano.

"Em toda a comunidade (de inteligência), não vimos nenhum sinal de mudança significativa em relação ao ano passado", disse Coates.

Outra das ameaças identificadas pela comunidade americana de inteligência é o programa de mísseis nucleares desenvolvido pela Coreia do Norte.

 Segundo Coates, o programa nuclear norte-coreano supõe uma "ameaça existencial" aos Estados Unidos. "Temos que fazer frente ao facto de que se trata de um potencial problema existencial para os Estados Unidos", afirmou.

Contudo, Coates garantiu: "Nosso objectivo é uma solução pacífica. Estamos usando uma pressão máxima sobre a Coreia do Norte, de diversas formas" concluiu.

Assuntos Conflito