Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Novembro de 2018 | 16h37 - Actualizado em 08 Novembro de 2018 | 16h36

Henry Kissinger pede a EUA e China que melhorem as relações

Pequim - O ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, Henry Kissinger, pediu nesta quinta-feira aos Estados Unidos e a China que adoptem "uma perspectiva mais ampla" ao abordarem as suas relações, que são vitais para o mundo e que se deterioraram nos últimos meses pela guerra comercial e as tensões no Mar da China Meridional.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Os Estados Unidos e China são duas grandes potências e as suas relações devem melhorar porque são de vital importância para ambos e para o mundo", disse hoje o diplomata depois de reunir-se em Pequim com o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, informou o ministério do país asiático em comunicado.

Kissinger, de 95 anos, admitiu que nos EUA existe certa "hostilidade" contra a segunda maior economia do mundo, mas ponderou que esta não é a "corrente principal" da opinião pública do seu país, que não deve ver o gigante asiático como um "oponente".

"É necessário que as duas partes abordem as suas relações de uma perspectiva mais ampla e alcancem consensos para conseguir um desenvolvimento estável e de longo prazo dos laços bilaterais", afirmou Kissinger, um dos artífices do restabelecimento das relações sino-americanas há mais de 40 anos.

Wang, por sua vez, considerou que a China e os Estados Unidos "podem" e "devem" resolver as suas diferenças comerciais "de forma adequada", isto é, "através de um diálogo em pé de igualdade".

"A cooperação pode ser benéfica para ambas as partes e é a única opção correcta para os dois países. Os interesses comuns são mais importantes que as diferenças", acrescentou o chanceler chinês.

Na terça-feira, o vice-presidente chinês, Wang Qishan, disse em Singapura que o país asiático está preparado para iniciar um diálogo com os EUA para chegar a um acordo "aceitável para as duas partes" em matéria comercial.

As duas principais potências económicas do mundo mantêm desde Julho deste ano uma guerra de impostos, que se junta a uma série de recentes episódios de tensão no Mar da China Meridional, onde navios americanos navegaram por águas que a China reivindica como as suas, acto que Pequim considera uma "provocação".

A oferta do vice-presidente chinês e as palavras do chanceler coincidem com o anúncio recente do reatamento nesta sexta-feira da segunda ronda de diálogo sobre segurança e diplomacia em Washington, que tinha sido adiada em Outubro.

O reatamento dos contactos acontece depois da conversa que Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, mantiveram na semana passada.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/02/2019 14:53:35

    Rússia quer desenvolver novo míssil antes de 2021

    Moscovo - A Rússia planeia desenvolver até 2021 uma versão terrestre dos mísseis usados até agora pela Marinha russa, após Washington e Moscovo suspenderem a sua participação no tratado de armas nucleares de alcance intermediário, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

  • 05/02/2019 13:42:04

    Grupo de Lima compromete-se em não considerar opção militar na Venezuela

    Ottawa - O Grupo de Lima, com a ausência do México, que se desvinculou da iniciativa após a chegada ao poder do presidente Andrés Manuel López Obrador, disse que vai reiterar o seu apoio a um processo de transição pacífica através de meios políticos e diplomáticos sem o uso da força.

  • 05/02/2019 13:13:31

    Merkel quer que empresas chinesas não partilhem informações com Estado

    Tóquio - A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu hoje a Pequim algumas salvaguardas para garantir que as empresas chinesas não partilhem informações com o Governo Central, numa altura de grande desconfiança ocidental em relação aos comportamentos da gigante Huawei, noticiou a Lusa.

  • 04/02/2019 19:24:46

    França: Diplomacia francesa diz que foi alcançado compromisso à africana na RDC

    Paris - O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse hoje que nas eleições na República Democrática do Congo (RDC) foi alcançado ?um compromisso à africana?, depois de anteriormente ter manifestado dúvidas sobre a vitória de Felix Tshisekedi.