Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Novembro de 2018 | 16h48 - Actualizado em 08 Novembro de 2018 | 16h48

Mais de um milhão de muçulmanos israelitas proibidos de peregrinar em Meca

Jerusalém - Pelo menos um milhão de árabes com nacionalidade israelita não poderão peregrinar à Meca ou fazer o 'hajj', um dos Cinco Pilares do Islão, após uma mudança na política de passaportes na Arábia Saudita, informou hoje a imprensa de Israel.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Salim Shalata, presidente do Comité em Israel de Hajj e Umrah (esta última uma peregrinação menor que pode ser feita em qualquer momento e não é obrigatória), disse que os membros do comité foram proibidos recentemente de entrar na Arábia Saudita, para onde viajavam para coordenar a peregrinação de centenas de árabes israelitas muçulmanos.

Apesar de nos últimos tempos ter ocorrido uma aproximação entre Israel e Arábia Saudita, os dois países não têm relações diplomáticas e os primeiros não podem viajar para esse país árabe.

No entanto, em 1978, o rei Hussein da Jordânia resolveu que os árabes israelitas (palestinianos que ficaram dentro das fronteiras de Israel após a sua criação em 1948) poderiam entrar no país, receber um passaporte jordaniano temporário para substituir o israelita e viajar de lá para a Arábia Saudita para uma peregrinação que os fiéis devem fazer pelo menos uma vez na vida.

"Riad informou à Jordânia que foi decidido não aceitar os passaportes jordanianos temporários dos árabes israeli", disse Shalata, ao explicar que esse país tomou "de repente" esta decisão sobre o sistema de viagem "que funcionou durante 40 anos".

"Não temos nenhuma explicação para esta decisão repentina. Temos milhares de palestinianos 'hajj' que já tinham se registado para ir à Arábia Saudita neste ano", lamentou Shalata, afirmando que falou com "todas as autoridades na Jordânia e na Arábia Saudita para resolver a questão".

A decisão saudita também afecta peregrinos palestinianos de Gaza, de Jerusalém Oriental e da Cisjordânia que têm passaporte temporário jordaniano, mas não engloba os que contêm identificações da Autoridade Nacional Palestina (ANP).

O jornal israelita "Haaretz" informou que especialistas acreditam que a medida talvez esteja relacionada com a possibilidade da Arábia Saudita permitir, no futuro, viagem para os muçulmanos de Israel com passaporte israelita, como uma forma de aproximação entre os países, embora não haja informações oficiais a respeito.

Assuntos Religião  

Leia também