Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

13 Março de 2018 | 15h34 - Actualizado em 13 Março de 2018 | 15h34

Comissão Europeia solidariza-se com Londres no caso de ex-espião

Paris - A Comissão Europeia transmitiu hoje, terça-feira, a sua solidariedade "inabalável" para com Londres, após o envenenamento de um ex-espião russo no Reino Unido, cuja responsabilidade a primeira-ministra britânica, Theresa May, atribuiu a Moscovo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Comissão Europeia

Foto: Pedro Parente

"É de extrema importância que aqueles que são responsáveis (...) vejam muito claramente que existe uma solidariedade europeia - inequívoca, inabalável e muito forte - de forma a que sejam realmente punidos pelo que fizeram", disse o vice-presidente da Comissão Frans Timmermans, perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

O comissário europeu acrescentou: "Não podemos ter gás neurotóxico a ser usado nas nossas sociedades. Isto deve ter uma resposta de todos nós".

Um outro vice-presidente da Comissão, o letão Valdis Dombrovskis, exprimiu a sua "muito grande preocupação" sobre este caso e também assegurou ao Reino Unido a "solidariedade europeia".

Esta segunda-feira, a primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou ser "muito provável que a Rússia seja responsável" pelo envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e da filha, Yulia, sustentando que a substância utilizada, que ataca o sistema nervoso, é "de qualidade militar" desenvolvida pela Rússia.

Na mesma intervenção, a primeira-ministra do Reino Unido deu a Moscovo um prazo, até terça-feira à noite, para fornecer explicações à Organização para a Interdição de Armas Químicas.

Serguei Skripal, de 66 anos, e a filha Yulia, de 33 anos, foram encontrados inconscientes no dia 4 de Março, num banco num centro comercial em Salisbury, no sul de Inglaterra.

Pela voz do ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, a Rússia já se declarou inocente e exigiu ter acesso à substância alegadamente utilizada.

Assuntos Solidariedade  

Leia também