Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Julho de 2018 | 15h36 - Actualizado em 12 Julho de 2018 | 15h36

Trump volta a acusar a Alemanha de pagar milhões de dólares à Rússia

Bruxelas - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prosseguiu hoje o seu ‘ataque’ à Alemanha, dizendo que o país paga “milhares de milhões de dólares” à Rússia, algo que classificou como “inaceitável.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

“Desde há vários anos, os presidentes [norte-americanos] têm tentado, sem sucesso, fazer com que a Alemanha e outras nações ricas da NATO paguem mais para se protegerem da Rússia. Eles pagam apenas uma fracção do seu custo. Os Estados Unidos pagam dezenas de milhares de milhões de dólares para subsidiar a Europa, e perde em grande no comércio”, disse Trump.

Em mais uma publicação no Twitter, o presidente norte-americano voltou a ‘atacar’ a Alemanha, como já tinha feito no primeiro dia da cimeira da Aliança Atlântica, que termina hoje em Bruxelas.

“A Alemanha começou a pagar à Rússia, o país do qual querem proteger-se, milhares de milhões de dólares pela energia que vai sair do novo gasoduto. Não é aceitável”, argumentou.

Na quarta-feira, o presidente norte-americano acusou a Alemanha de estar “prisioneira” da Rússia por causa das importações de energia.

“A Alemanha está prisioneira da Rússia porque importa de lá uma grande parte da sua energia”, declarou Trump, durante um pequeno-almoço com o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte, Jens Stoltenberg.

Trump aludia ao projecto do gasoduto Nord Stream II, cuja construção está prevista para arrancar este mês e que sai de Ust-Luga, na Rússia, atravessando todo o mar Báltico até terminar em Greifswald, na Alemanha.

Em resposta ao presidente norte-americano, a chanceler alemã Angela Merkel destacou a independência das decisões de Berlim.

Trump usou o mesmo ‘tweet’ para reiterar a necessidade de todos os aliados cumprirem a meta de consagrarem 2% do Produto Interno Bruto (PIB) a despesas em Defesa, uma meta estabelecida na cimeira do País de Gales para o prazo de uma década.

“Todas as nações da OTAN têm de cumprir o compromisso de 2%, e têm obrigatoriamente de alcançar os 4%”, voltou a defender, depois de já ter feito essa exigência na reunião de chefes de Estado e Governo da Aliança Atlântica na quarta-feira.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 11/11/2018 05:30:56

    Reis da Espanha reforçarão cooperação institucional e económica com o Peru

    Madrid - O rei da Espanha, Felipe VI, viaja neste domingo para o Peru para iniciar com a rainha Letizia a primeira visita de Estado espanhola ao país em dez anos, que impulsionará a actual associação estratégica com uma ampla agenda de contactos institucionais, económicos, sociais e culturais.

  • 11/11/2018 04:21:56

    México diz que não aceitou acordo de cooperação com EUA sobre asilo

    Cidade do México - O Governo do México afirmou neste sábado que não aceitou "de maneira verbal ou escrita" nenhum acordo sobre cooperação em matéria de pedidos de asilo ou refúgio depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, endureceu este trâmite.

  • 08/11/2018 16:55:15

    Governo norte-coreano pede adiamento da reunião com os EUA

    Seul - A Coreia do Norte pediu aos Estados Unidos para adiar as negociações de alto nível programadas para esta semana em Nova Iorque, informou hoje o ministro das Relações Exteriores sul-coreano, Kang Kyung-wha, um dia depois de Washington anunciar o adiamento da reunião.

  • 08/11/2018 16:39:29

    Presidente chinês confirma reunião com Trump durante cimeira do G20 na Argentina

    Pequim - O Presidente da China, Xi Jinping, confirmou nesta quinta-feira que reunirá com o mandatário dos Estados Unidos, Donald Trump, durante a próxima cimeira de líderes do G20 que acontecerá no fim deste mês na Argentina, informou a agência "Xinhua".