Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

09 Agosto de 2018 | 10h50 - Actualizado em 09 Agosto de 2018 | 12h56

Guerra nuclear é um "medo presente", diz secretário-geral da ONU

Nagasaki - O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou hoje (9), em Nagasaki, que os "temores de uma guerra nuclear" continuam presentes, 73 anos depois da segunda bomba atómica mundial ter atingido o Japão.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

António Guterres - Secretário Geral da ONU (Foto arquivo)

Foto: Francisco Miudo

"Os esforços para o desarmamento diminuíram e, em alguns casos, pararam mesmo", disse António Guterres, numa intervenção no Parque da Paz, em Nagasaki, no Japão.

"Aqui, em Nagasaki, peço a todos os países que se comprometam com o desarmamento nuclear e que comecem a fazer progressos visíveis, com a máxima urgência", sublinhou.

O primeiro chefe da ONU a visitar Nagasaki voltou a mostrar-se preocupado com os esforços para a desnuclearização, uma vez que os "países com armas nucleares têm modernizado os seus arsenais".

"Vamos comprometer-nos a fazer de Nagasaki o último lugar na Terra a sofrer este tipo de devastação", acrescentou, dois dias depois do 1º aniversário da adopção do Tratado de Proibição de Armas Nucleares. Apesar de ser a única vítima de ataques nucleares, o Japão não assinou o tratado.

O presidente da Câmara de Nagasaki, Tomihisa Taue, pediu ao Governo do Japão que faça mais para liderar o desarmamento nuclear, especialmente na região, para "ajudar a promover os esforços para se alcançar uma península coreana livre de armas nucleares".

Por fim, Taue pediu a Tóquio que assine o tratado e "cumpra com a sua obrigação moral de liderar o mundo em direcção à desnuclearização".

O Japão procura mediar o diálogo "entre os países nucleares e não-nucleares" para alcançar um mundo livre de armas nucleares, disse, por sua vez, o primeiro-ministro Shinzo Abe, num discurso semelhante ao proferido há três dias, em Hiroshima.

Três dias depois da bomba nuclear que atingiu Hiroshima, causando 140 mil mortos, os Estados Unidos lançaram, no dia 09 de Agosto de 1945, uma segunda bomba atómica sobre Nagasaki, levando à capitulação do Japão e ao fim da Segunda Guerra Mundial.

Assuntos ONU  

Leia também