Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

10 Setembro de 2019 | 08h42 - Actualizado em 10 Setembro de 2019 | 08h42

Incêndios obrigam à retirada de centenas de pessoas na Austrália

Sidney - Pelo menos 400 pessoas foram retiradas das suas habitações na Austrália devido aos múltiplos incêndios que estão a ser combatidos por milhares de operacionais no leste do país, informaram as autoridades locais nesta terça-feira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Até ao momento, só foram registados danos materiais, o que as autoridades do estado de Queensland descreveram como "um milagre".

Neste estado australiano, um dos mais afectados pela seca intensa e prolongada no país, cerca de mil bombeiros combatem mais de 80 incêndios.

Os serviços meteorológicos alertaram para um possível aumento da intensidade dos ventos nesta região, o que pode alimentar a intensidade das chamas.

A área turística de Sunshine Coast é hoje o principal foco de preocupação, sobretudo na cidade costeira de Peregian, a cerca de 120 quilómetros ao norte de Brisbane, onde cerca de 400 pessoas permanecem em centros de evacuação.

Segundo a Lusa, a Polícia de Queensland está a investigar oito desses incêndios devido à suspeita de mão criminosa.

Entretanto, no estado vizinho de Nova Gales do Sul, três incêndios, dos cerca de 50 incêndios activos, destruíram já mais de 115.000 hectares de terra.

A temporada de incêndios na Austrália varia de acordo com a zona e as condições meteorológicas, mas a maioria dos fogos registam-se geralmente durante o verão australiano (entre Dezembro e Março).

Os piores incêndios no país nas últimas décadas ocorreram no início de Fevereiro de 2009, no estado de Vitória, no sudeste, do qual resultaram 173 mortos, 414 feridos e uma área queimada superior a 4.500 quilómetros quadrados.

Assuntos Incêndio  

Leia também