Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

09 Setembro de 2019 | 10h41 - Actualizado em 09 Setembro de 2019 | 10h41

Talibãs advertem que EUA são os que mais sofrerão com fim das negociações

Cabul - Os rebeldes talibã advertiram hoje que a decisão do Presidente Donald Trump de cancelar as negociações de paz para o Afeganistão prejudicará sobretudo os Estados Unidos, manifestando a expectativa de que Washington regresse ao diálogo, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Trump cancelou as negociações com o Emirado Islâmico (como se auto-denominam os talibãs), isto prejudicará sobretudo os próprios Estados Unidos", considerou o movimento rebelde em comunicado após o Presidente norte-americano ter anunciado a sua decisão na rede social Twitter.

Os rebeldes sublinharam que "não se contentarão com nada que não seja o fim da ocupação [...] e continuarão com a sua luta para alcançar este grande objectivo".

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na noite de sábado que cancelou uma reunião secreta em Camp David com líderes talibãs e com o Governo afegão, após um atentado, quinta-feira, reivindicado pelos talibãs em Cabul e que provocou 11 mortos, incluindo um soldado norte-americano.

Os EUA promovem há um ano negociações de paz com os talibãs e as autoridades de Cabul, destinadas a terminar com 18 anos de guerra no Afeganistão.

Trump precisou que deveria reunir-se hoje em Camp David, separadamente e em segredo, com o Presidente afegão Ashraf Ghani e com "os principais dirigentes talibãs", quando os contactos entre Washington e os representantes dos insurgentes pareciam perspectivar um acordo histórico.

"Anulei imediatamente a reunião", precisou no Twitter.

Para os talibãs, "esta reacção a um ataque antes de assinar um acordo não mostra nem paciência nem experiência".

Ainda assim, os líderes do movimento dizem acreditar que Washington regressará às negociações.

Mike Pompeo, chefe da diplomacia norte-americana, disse, entretanto, que os Estados Unidos não excluem a possibilidade de retomar as negociações caso os rebeldes "mudem de atitude".

Assegurou ainda que o Presidente dos Estados Unidos "ainda não decidiu" se avançará com a decisão de retirar milhares de soldados norte-americanos do Afeganistão, como previsto no projecto de acordo negociado com os talibãs.

Assuntos Negociações  

Leia também
  • 09/09/2019 10:03:04

    Macron e Putin negoceiam possível cimeira sobre a Ucrânia em Paris

    Paris - Os Presidentes da França e da Rússia consideraram hoje que a "actual dinâmica" do conflito entre Moscovo e Kiev, após a troca de prisioneiros, permitirá organizar em Paris, "nas próximas semanas", uma cimeira com o designado grupo de Normandia, noticiou a Lusa.

  • 03/09/2019 11:25:41

    Hassan Rohani rejeita negociações bilaterais com EUA sobre acordo núclear

    Teerão - Presidente iraniano rejeitou nesta terça-feira manter negociações bilaterais com os Estados Unidos e disse que, caso Washington levante as sanções, apenas aceita um diálogo multilateral com os países que assinaram o acordo nuclear com Teerão em 2015, noticiou a Lusa.

  • 30/08/2019 15:30:47

    Primeiro-ministro italiano indigitado iniciou negociações com partidos

    Roma - O primeiro-ministro indigitado italiano, Giuseppe Conte, iniciou hoje reuniões com todas as forças políticas, incluindo o Movimento 5 Estrelas (M5S, antissistema) e o Partido Democrata (PD, centro-esquerda), com quem contará para formar o Governo de coligação.