Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

10 Setembro de 2019 | 09h50 - Actualizado em 10 Setembro de 2019 | 09h50

Talibãs ameaçam EUA caso Washington abandone negociações de paz

Cabul - Os talibãs anunciaram esta terça-feira que os Estados Unidos “podem vir a arrepender-se” caso abandonem as discussões sobre a retirada das tropas norte-americanas do Afeganistão, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

“Temos duas formas de acabar com a ocupação do Afeganistão, a guerra santa e o combate ou as negociações. Se Trump quer parar com as discussões nós vamos adoptar a primeira opção e eles vão arrepender-se rapidamente”, ameaçou o porta-voz, Zabihullah Mujahid.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na segunda-feira que as negociações “tinham terminado bem” mas a imprensa norte-americana refere-se a divergências entre membros da administração norte-americana sobre a retirada das tropas.

Por outro lado, um outro porta-voz dos talibãs afirmou hoje que se mantém os contactos com a delegação dos Estados Unidos, no quadro das conversações de paz para o Afeganistão, mas adiantou que foi enviado para Washington um pedido de explicações sobre a suspensão do diálogo.

“Ainda estamos em contacto com a equipa negocial dos Estados Unidos e o canal de conversação contínua aberto”, disse o porta-voz do Gabinete político dos talibãs, Suhail Shaleen, através de uma declaração registada em vídeo.

De acordo com Shaheen, que se encontra em Doha, os talibãs pediram “uma explicação oficial” sobre a suspensão das negociações de paz e esperam uma resposta por parte de Washington.

Os Estados Unidos e os representantes dos talibãs, que controlam uma parte significativa do território afegão, mantêm contactos há mais de um ano no quadro das negociações que decorriam no Qatar.

No essencial, as negociações pretendem pôr fim a duas décadas de guerra no Afeganistão sendo que recentemente foi divulgado um documento provisório que prevê a retirada de cinco mil soldados norte-americanos num período de 135 dias.

“O acordo foi finalizado pelas partes, queremos que esta guerra se resolva através de meios pacíficos”, disse Shaheen na mesma mensagem acrescentando que os talibãs se tinham comprometido em promover um cessar-fogo antes da assinatura do documento final.

Mesmo assim, o presidente dos Estados Unidos cancelou no domingo uma reunião secreta que ia juntar altos comandos das forças talibãs e o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani.

Trump cancelou o encontro depois de um atentado que provocou a morte de 12 pessoas, incluindo um soldado dos Estados Unidos, na quinta-feira passada, em Cabul.

Assuntos Negociações  

Leia também
  • 09/09/2019 10:41:14

    Talibãs advertem que EUA são os que mais sofrerão com fim das negociações

    Cabul - Os rebeldes talibã advertiram hoje que a decisão do Presidente Donald Trump de cancelar as negociações de paz para o Afeganistão prejudicará sobretudo os Estados Unidos, manifestando a expectativa de que Washington regresse ao diálogo, noticiou a Lusa.

  • 09/09/2019 10:03:04

    Macron e Putin negoceiam possível cimeira sobre Ucrânia em Paris

    Paris - Os presidentes da França, Emmanuel Macron, e da Rússia, Vladimir Putin, consideraram hoje que a "actual dinâmica" do conflito entre Moscovo e Kiev, após a troca de prisioneiros, permitirá organizar em Paris, "nas próximas semanas", uma cimeira com o designado grupo de Normandia, noticiou a Lusa.

  • 03/09/2019 11:25:41

    Hassan Rohani rejeita negociações bilaterais com EUA sobre acordo núclear

    Teerão - Presidente iraniano rejeitou nesta terça-feira manter negociações bilaterais com os Estados Unidos e disse que, caso Washington levante as sanções, apenas aceita um diálogo multilateral com os países que assinaram o acordo nuclear com Teerão em 2015, noticiou a Lusa.