Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

10 Janeiro de 2019 | 13h15 - Actualizado em 10 Janeiro de 2019 | 15h56

Ministra quer espaços de debate sobre cultura nacional

Luanda - A criação de um espaço de debate para se repensar a cultura nacional e se traçar novas áreas de actuação, capazes de dar sustentabilidade aos planos e metas alinhadas no Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 2018/2022 e que definem as políticas de governação no domínio da cultura, foram defendidas nesta quarta-feira, em Luanda, pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministra da Cultura, Carolina Cerqueira (centr.) com artistas angolanas (arquivo)

Foto: Cedida

A responsável, que falava na abertura do colóquio Agostinho Neto e a cultura, augurou que as politicas culturais tenha impacto nos domínios da economia criativa e na educação cultural, contribuindo para a diversidade das expressões culturais e maior envolvimento da sociedade civil, como actores na implementação das políticas culturais e serviços.

Para Carolina Cerqueira, desta forma, se fará a promoção da cultura como fonte de desenvolvimento sustentável, procurando no sector privado a sustentação para o incremento das redes de intervenção e de realizações.

No domino do desenvolvimento sustentável, Carolina Cerqueira avançou que é indiscutível que a cultura assume um grande papel de intervenção, uma vez que o investimento nesta área a nível mundial e, sobretudo, nos países menos desenvolvidos é o mais pequeno na última década.

A ministra adiantou que urge dinamizar à produção cultural e das artes, para que a indústria criativa possa contribuir no desenvolvimento sustentável e para a erradicação da pobreza e diminuição da vulnerabilidade social, constituindo uma fonte de inesgotável criatividade e de inovação, capaz de oferecer emprego a indivíduos e grupos sociais, garantindo-lhes uma plataforma de expressão em defesa dos direitos e liberdades fundamentais.

Em relação aos desafios, a ministra apontou a necessidade de mobilidade dos artistas e das suas obras, por tratar-se de uma premissa crucial para a heterogeneidade de ideias, valores de partilha, capazes de promover uma cultura vibrante, resiliente, com acesso e desenvolvimento das novas tecnologias na implementação das políticas culturais.

A integração de uma perspectiva do género nas políticas culturais, a inclusão de medidas que possam promover a participação da mulher no domínio da indústria criativa, através das actividades que lhes estão tradicionalmente associados como o artesanato, culinária e indústria têxtil consta igualmente dos desafios culturais.

Apoiar igualmente o acesso das mulheres a indústria criativa e cultural moderna, como filmes e os medias que podem influenciar a percepção acerca da identidade do género e suas relações e contribuir directa ou indirectamente para a igualdade do género.           

A ministra destacou como importante a relação entre os sectores da cultura e do turismo, para se aproveitar mais as potencialidades turísticas do país, com maior ousadia dos artistas e promotores de espectáculos, na criação de agenda cultural que acompanhe o desenvolvimento que se espera para o sector do turismo.

“As associações de natureza cultural devem liderar o processo de internacionalização da cultura angolana, com a união entre os artistas e empresários nacionais e estrangeiros interessados em investir no sector da cultura”, asseverou.

A prioridade neste caso, de acordo com Carolina Cerqueira, deve ir para os domínios das artes plásticas, dança, do teatro e da literatura, culinária e moda, mais acutilantes e devidamente organizados para se vingar nesta empreitada da internacionalização da cultura.

Carolina Cerqueira adiantou que a visão estratégica de Agostinho Neto sobre a Cultura Nacional continua actual e viva para a reflexão sobre a vitalidade e robustez das políticas culturais a adoptar, no actual contexto nacional em resposta às exigências de integração regional, de um mundo cada vez mais global, periorizando, essencialmente, a criatividade artística a favor do desenvolvimento.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 02/02/2019 02:11:17

    Resenha Cultural: Apresentação da Bienal de Paz de Luanda marca semana

    Luanda - A apresentação pública da primeira edição da Bienal de Paz de Luanda - Fórum Pan-Africano da Cultura da Paz em África, a acontecer entre 18 a 22 de Setembro deste ano, com a participação de 12 países, marcou a semana que hoje, sábado, termina.

  • 01/02/2019 12:19:24

    Bienal de Paz de Luanda marcada para Setembro

    Luanda - A primeira edição da Bienal de Paz de Luanda - Fórum Pan-Africano da Cultura da Paz em África acontece entre 18 a 22 de Setembro deste ano, com a participação de 12 países.

  • 29/01/2019 18:55:43

    Angola declina participação na Bienal de Veneza 2019

    Luanda - O Ministério da Cultura avançou, nesta terça-feira, em Luanda, que, apesar de ter manifestado o seu interesse em participar na 58.ª edição da Exposição Internacional de Arte - Bienal de Veneza 2019, em Itália, não foram reunidas as condições e garantias para a participação do país neste evento.

  • 26/01/2019 02:11:03

    Resenha Cultural: Apelo da ministra para participação dos mecenas marca semana

    Luanda - O apelo lançado pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, depois da aprovação do regulamento da Lei do Mecenato pelo Conselho de Ministros, para uma intervenção mais activa dos mecenas na valorização, preservação e divulgação da cultura nacional dentro e fora de portas marcou a semana que, hoje, sábado, termina.