Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

11 Novembro de 2019 | 18h03 - Actualizado em 11 Novembro de 2019 | 18h03

Chico Montenegro homenageado no Muzungué da Tradição

Luanda - Os músicos Dom Caetano, Augusto Chacaya, Dina Santos, Tony do Fumo Filho e Robertinho, foram convidados a subir ao palco do Muzongué da Tradição, neste domingo, para homenagear Chico Montenegro e a banda Jovens do Prenda, no Centro Recreativo Kilamba, em Luanda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Músico Angolano, Robertinho.

Foto: Nelson Malamba

A homenagem teve início às 12 horas e 34 minutos,  com a actuação ao vivo dos Jovens do Prenda que acompanharam os músicos e interpretaram temas de Chico Montenegro, levando os presentes a um pé de dança e ensaiar passos de kizomba.

O segundo a entrar em cena no palco do Kilamba foi a artista Dina Santos, que encantou os convidados com temas da sua autoria, fazendo com que muitos convidados recordassem com grande nostalgia o tema  “Anel” um dos grandes sucessos da sua carreira. 

Robertinho subiu ao palco e, com a sua forma própria de cantar, não deixou de fora o “Kakinhento” durante a sua actuação em homenagem a Chico Montenegro, obrigando muitos dos presentes  a "invadirem" a pista dança.

Em declarações à Angop, após sua actuação, o músico referenciou o colega como um artista com muito talento e humilde, e que a homenagem é merecida pelos seus feitos na música nacional. 

Tony do Fumo Filho, subiu ao palco da “Catedral do semba “ para actuar e fazer dançar os presentes, cantando alguns dos seus temas mais badalado da sua carreira.

Com variedades melódicas e viagem ao passado com o semba de Augusto Chacaya e à bela interpretação de Dom Caetano das músicas de Chico Montenegro, o público do Centro Cultural e Recreativo Kilamba, os presentes não se acanharam e evadiram a pista.     

Para Dom Caetano render homenagem a um dos fundadores da banda Jovens do Prenda, é um acto de simbolismo devido, um dever dos músicos angolanos, em particular aos Jovens do Prenda, pelo seu empenho no crescimento da música nacional.  

“Considerado o rei do bolero angolano, uma vez que não houve quem interpretava-o na música angolana como Chico Montenegro, igual como Júlio Iglesias em Espanha, Miguel Matamoros em Cuba”, acrescentou.

Salientou que Chico Montenegro dignificou a música, além de intérprete como músico e bonguista, ninguém em Angola conseguiu asseguras os bongos como este artista.  

A banda Jovens do Prenda foi fundada em 1968, por Chico Montenegro, Didi da Mãe Preta, Tony do Fumo, Augusto Chacaya, tendo ainda como co-fundadores Kangongo, Mingo e Verry Inácio, aos quais se junta o vocalista Gaby Monteiro.

O Muzongué da Tradição é um programa que teve o seu início em Fevereiro de 2007 e visa a promoção, divulgação e valorização da música angolana produzida nos anos 60, 70 e 80.

O agrupamento Jovens do Prenda e os artistas Zecax, Dom Caetano e Proletário, foram os primeiros convidados. O programa acontece mensalmente no primeiro domingo de cada mês.

Assuntos Cultura  

Leia também
  • 09/11/2019 17:05:47

    Totó comercializa "Nga Sakidila"

    Luanda - Após cinco anos, "Nga Sakidila" é o título da nova obra discográfica do músico angolano Totó posta hoje, sábado, em Luanda, a venda e em sessão de autógrafos na Praça da Independência.

  • 07/11/2019 11:21:51

    Cantor NSimba Reboot autografa "Me Dá Só Samuel"

    Saurimo - O músico Nsimba Reboote realizou hoje, quinta-feira, em Saurimo (Lunda Sul), uma sessão de venda e assinatura de autógrafos do seu primeiro CD intitulado "Me dá só Samuel".

  • 05/11/2019 21:12:10

    Independência nacional é tema de encontro em Havana

    Havana - O 11 de Novembro constitui o momento mais importante da vida do povo angolano, por ser nesse dia que conquistou a liberdade e o direito de decidir o seu próprio destino, afirmou a adida Cultural de Angola em Cuba, Madalena de Almeida.