Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

28 Maio de 2017 | 14h51 - Actualizado em 28 Maio de 2017 | 14h52

Angola: APN apresenta suprimentos de 11 mil e oitocentas assinaturas

Luanda - O presidente da Aliança Patriótica Nacional, António Quintino Moreira, procedeu hoje, domingo, em Luanda, a entrega do suprimento de onze mil e oitenta assinaturas de subscritores ao Tribunal Constitucional (TC), devido as insuficiências constatadas nos documentos apresentados pelo seu partido.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Marci Lopes, a direita recebendo Quintino de Moreira, Presidente da APN

Foto: Lino Guimaraes

De acordo com António Quintino, que falava à imprensa, a APN esteve a trabalhar nos últimos dias, de modo a proceder a entrega em tempo adequado.

O político reconheceu que este processo foi difícil, na medida em que o seu partido, que concorre como único partido que não recebe verbas do Estado, conta apenas com a ajuda dos seus militantes e simpatizantes.

Justificou que as insuficiências foram derivadas de vários factores, uma das quais, que muitos dos seus subscritores não conseguiram realizar o registo eleitoral.

Por outro lado, admitiu que a situação do primeiro secretário do seu partido no ciclo do Moxico, Ezequiel Conde, que havia favorecido outro partido perfazendo dois registos, pelo que o seu partido intentou uma acção judicial contra o mesmo.

Informou que o mesmo confessou ter feito por solidariedade a um amigo, motivo pelo qual foi condenado a uma multa de quinhentos mil kuanzas.

Por seu turno, o director do Gabinete dos Partidos Políticos do Tribunal Constitucional, Marcy Lopes, garantiu que o número apresentado pelo APN é superior ao solicitado pelo tribunal, cuja data de avaliação decorre até 31 de Maio do ano em curso.

Segundo a fonte, estes trâmites são para efeito de conformidade e inconformidade com as eleições deste ano, e o prazo de avaliação é improrrogável.

O processo da APN apresentava irregularidades de 150 candidaturas, pelo que teve de apresentar estas assinaturas.

Assuntos Angola  

Leia também