Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

13 Abril de 2018 | 19h03 - Actualizado em 13 Abril de 2018 | 19h02

Secretário de Estado chama atenção para importância da pesquisa académica

Luanda - O Secretário de Estado das Relações Exteriores, Téte António, exortou hoje (sexta-feira), em Luanda, os diplomatas a dedicarem-se, cada vez, mais à pesquisa académica, aproveitando a grelha de acções de refrescamento ou capacitação que actualmente existente no Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Entrega de lembrança a uma das finalista

Foto: Antonio Escrivao

Tete António, Secretário de Estado das Relações Exteriores

Foto: Antonio Escrivao

Tais declarações  foram feita  pelo  Secretário  de Estado das Relações  Exteriores durante a cerimónia de outorga de diplomas a 47 licenciados  pelo Instituto Superior de Relações  Internacionais (ISRI).

De  acordo o  Secretário  de Estado  das Relações Exterior, o evento enquadra-se na  materialização  das  orientações  definidas  pelo  titular do poder Executivo, no  âmbito  da Politica Externa do país, no  presente contexto que o mundo vive.

“Assim sendo, o Instituto Superior de Relações  Internacionais é chamado a assumir,  cada  vez  mais, a responsabilidade na concretização da estratégia definida superiormente”,  afirmou o responsável.

Téte António disse estar definido que, doravante, o exercício de qualquer função no  âmbito  diplomático, quer nos Órgãos  Centrais como  nos  Externos, implicará  a frequência em seminário  de capacitação e refrescamento no ISRI.

O  responsável  disse ainda que o  referido  processo  de  capacitação  e  refrescamento  de   quadros teve já início  com os Embaixadores, recentemente  nomeados pelo  titular do poder Executivo, e  cujo o exercício foi por muitos   considerado frutuoso.

Na ocasião, Téte  António referiu que as relações  internacionais têm um vasto leque de temas,  no  âmbito  da sua materialização, que não se aplicam  exclusivamente ao MIREX, mas  também a outras instituições, tais   como  organizações  internacionais, empresas multinacionais, entre outras.

“Deste modo, o domínio de uma das línguas, como  inglês ou francês, constituem  um  instrumentos  fundamentais nas  relações  internacionais “, aconselhou o Secretário  de Estado das  Relações.

O Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI), instituição de formação de quadros superiores do Ministério das Relações Exteriores, fundado em 2002, desde a sua criação  formou  já um  total de 391  licenciados.

Assuntos Formação  

Leia também
  • 20/01/2019 18:08:57

    Unita no Uíge quer união para eleições autárquicas

    Uíge - O secretário da Unita no Uíge, Félix Simão Lucas, apelou neste domingo, coesão, unidade e trabalho dos militantes para o fortalecimento do partido, no quadro das eleições autárquicas no país, previstas para 2020.

  • 15/01/2019 15:33:39

    Responsável da Unita reitera posicionamento em relação as autarquias

    Uíge - O posicionamento da UNITA em relação a implementação uniforme da autarquias, em todo o território nacional, ao contrário da realização gradual, foi reafirmada esta terça-feira, no Uíge, pelo secretário provincial em exercício, Cardoso João Bambi.

  • 15/11/2018 19:10:13

    UE disponibiliza 300 mil euros para formação de direitos humanos

    Luanda - Trezentos mil euros é o valor que a União Europeia (UE) disponibilizou para financiar um projecto de formação em mestrado sobre os direitos humanos, anunciou esta quinta-feira, em Luanda, o seu representante no país, embaixador Tomás Ulicny.

  • 13/11/2018 14:11:34

    Angola regista mais de 40 casos de tráfico de seres humanos

    Luanda - Mais de quarenta casos de tráficos de seres humanos, com crianças como principais vítimas, foram registados em Angola desde 2014, informou nesta terça-feira, em Luanda, a secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania, Ana Celeste Cardoso Januário.