Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

25 Setembro de 2019 | 23h32 - Actualizado em 25 Setembro de 2019 | 23h47

Juiz considera ilegais descontos obrigatórios a favor de clubes

Benguela - Os supostos descontos obrigatórios a favor da equipa militar do 1º de Agosto e da Polícia Nacional, Interclube de Angola, efectuados aos efectivos dessas corporações, são irregulares, porque não estão definidos por lei, declarou esta quarta-feira, em Benguela, o juiz conselheiro do Tribunal de Contas (TC), Gilberto Magalhães.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Juiz conselheiro do Tribunal de Contas, Gilberto Magalhães.

Foto: David Dias

Em resposta a uma pergunta da plateia sobre “se alguma vez, o Tribunal de Contas realizou fiscalização sucessiva àquelas agremiações desportivas”, uma vez serem suportadas por entes públicos (FAA e ministério do Interior), Gilberto Magalhães afirmou que o órgão já recebeu algumas denúncias a respeito, provenientes de membros do ministério do Interior, sem nunca apresentarem a prova material, um recibo de salário que faça fé dos descontos em causa.

Ainda assim, sublinhou, a questão havia sido levada ao titular do ministério do Interior, porque alguns membros desta corporação que sofrem estes descontos alegam serem adeptos ou sócios de outras equipas nacionais, não se revendo na agremiação ministerial.

Por isso, informou, qualquer membro das Forças Armadas (porque essa preocupação é extensiva ao 1º de Agosto) ou da Polícia Nacional que queira intentar uma acção em tribunal pode fazê-lo, devendo, no entanto, anexar algum recibo de salário como comprovativo.

“Como sabem, as denúncias requerem investigação, o que leva o seu tempo, mas qualquer membro que esteja a sofrer estes descontos e quiser intentar uma acção pode queixar-se, desde que junte alguns recibos onde constem os descontos, até porque se diz que os trabalhadores civis são igualmente descontados”, explicou.

Por outro lado e já na sessão de encerramento do seminário sobre a Lei dos Contratos Públicos e as Modalidades de Fiscalização do TC, após as prelecções sobre a “Fiscalização sucessiva aos órgãos da administração do Estado (auditorias, inquéritos, averiguações e prestações de contas), e “Auditorias sucessivas à prestação dos Institutos Públicos”, o juiz conselheiro apelou ao espírito patriótico dos gestores públicos.

Voltou a lembrar a necessidade do cumprimento das obrigações e de melhorarem o desempenho, eficácia e produtividade na acção governativa, para uma satisfatória relação com os órgãos de controlo interno (Serviço de Inspecção Geral da Administração Geral do Estado) e externo (TC) ou a Inspecção-geral das Finanças.  

Vanda Silva, Elisabeth Eliote e Lara Craveira apresentaram os temas “Lei de Contratos – II parte”, “Fiscalização sucessiva (aos órgãos da administração pública) e “Fiscalização sucessiva – prestação dos Institutos Públicos”, onde discorreram, ao pormenor, alguns capítulos da lei de contratação pública.

O evento, que teve a duração de dois dias, contou com a participação de mais de cem (100) entidades das províncias de Benguela e Cuanza Sul, ligados à gestão de fundos do Orçamento Geral do Estado (OGE), que falaram sobre a  Lei dos contratos públicos e as modalidades de fiscalização do Tribunal de Contas (TC).

Leia também
  • 24/09/2019 20:40:15

    Elaboração dos procedimentos das despesas públicas deve ser melhorada

    Benguela - O juiz conselheiro do Tribunal de Contas, Gilberto Magalhães, considerou, esta terça-feira, haver ainda um fraco desempenho na governação local quanto a elaboração dos procedimentos da realização das despesas públicas, mormente na celebração de contratos para aquisição de bens e serviços.

  • 13/09/2019 22:05:54

    Tribunal ausculta declarantes do caso "fábrica de fertilizantes"

    Benguela - O Tribunal de Comarca de Benguela auscultou esta sexta-feira os membros da associação OMUNGA e a sociedade civil que interpuseram, em Maio passado, uma providência cautelar na sala do Cível para a suspensão das obras da fábrica de fertilizantes do bairro da Graça.

  • 11/09/2019 12:52:51

    Benguela põe fim à prestação de defensores oficiosos nos julgamentos

    Benguela - O Conselho Provincial de Benguela da Ordem dos Advogados decidiu acabar com a nomeação de defensores oficiosos nos julgamentos, como era prática, devido a integração local de 120 novos membros, contra os 80 antes existentes, informou hoje, o seu presidente, Valdino Simas.