Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Reconstrução Nacional

07 Fevereiro de 2018 | 18h41 - Actualizado em 07 Fevereiro de 2018 | 18h40

Deolinda Rodrigues mantém trânsito fluido

Luanda - A circulação automóvel na Avenida Deolinda Rodrigues, Estrada nº 230, continua fluida no sentido Luanda /Viana, 72 horas depois de o Instituto Nacional de Estrada de Angola (INEA) ter anunciado restrições para aquela via, por um período de quatro meses.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A instituição informou domingo último que o perímetro entre a Estátua do Motorista - FTU e a empresa Lactiangol (sentido Luanda/Viana) estaria condicionado a partir das 21h de terça-feira, para realizar trabalhos de micro-drenagem na via.

Os trabalhos surgem poucos meses depois de a circulação rodoviária ter sido "cortada" na mesma Avenida, para permitir a construção do Viaduto da Unidade Operativa.

Entretanto, apesar do anúncio da interdição parcial do troço Estátua do Motorista - FTU e a empresa Lactiangol (sentido Luanda/Viana), o trânsito continua normal.

A equipa de reportagem da Angop esteve no local, às primeiras horas da manhã e ao começo da noite, tendo constatado fluidez na via.

Até às 13:00, não havia no troço qualquer presença de agentes da Polícia Nacional a sinalizar o desvio parcial do trânsito. Só as máquinas estavam em prontidão.

Para fugir eventuais engarrafamentos, muitos automobilistas passaram a usar, já no período da manhã de hoje, as vias alternativas: Rua Machado Saldanha/Alípio Macuéria/Sanatório para acederem à rua da Brigada Especial de Trânsito (BET).

Nesses troços, os mesmos enfrentaram engarrafamento ao final da manhã.

De igual modo, os automobilistas registaram no final da manhã constrangimento no trânsito, na Avenida Deolinda Rodrigues, no sentido Viana/Luanda.

A Angop procurou, sem sucesso, obter explicações da direcção do INEA, para apurar as causas de, até ao momento, não se cumprir o prazo inicialmente avançado.

A esse respeito, o porta-voz do Ministério da Construção e Obras Públicas, Samir Kitumba, esclareceu segunda-feira, ao Jornal de Angola, que o troço em causa não sofreria interdição por completo, mas sim uma restrição do trânsito.

Informou que, das três faixas de rodagem, uma ficará embargada, sublinhando que as vias alternativas sugeridas são apenas para acautelar situações de engarrafamento.

Até Agosto de 2017, a Avenida Deolinda Rodrigues esteve parcialmente fechada, para construção do Viaduto da Unidade Operativa, cuja abertura veio dar maior fluidez e disciplina ao trânsito.

A construção do viaduto, com uma extensão de 510 metros, visou acabar com os constrangimentos no troço da BCA (Grafanil-Viana) à Unidade Operativa (nos dois sentidos).

A edificação da ponte, inserida nos projectos de vias estruturantes de acesso ao novo Aeroporto Internacional de Luanda, em construção no município de Icolo e Bengo, veio facilitar também a circulação no sentido Senado da Câmara/Tourada.

Assuntos Angop   Estradas  

Leia também