Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Reconstrução Nacional

17 Novembro de 2019 | 02h14 - Actualizado em 17 Novembro de 2019 | 02h12

Cabinda: Reiniciam trabalhos nas obras paralisadas em Cabinda

Cabinda - As principais obras estruturantes paralisadas há vários anos por falta de financiamentos foram inscritas no Programa Integrado de Intervenção Municipal (PIIM) disse, em Cabinda, o coordenador da comissão multissectorial do programa para Cabinda, Adão de Almeida.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Obras do futuro Campus Universitário do Caio retomam este ano

Foto: Pedro Parente

As obras estruturantes são o Porto de Águas Profundas do Caio, paralisado a mais de um ano, o Campus Universitário do Caio cujas obras estão interrompidas a mais de nove anos, o aeroporto Maria Mambo Café, Quebra-mar, Terminal Marítimo de Passageiros, Mercado do Gika e a Sede Administrativa do Governo provincial.

Adão de Almeida, que efectuou uma visita de algumas horas, sexta-feira, a Cabinda para avaliar o actual estado e dos níveis de execução que se encontram as referidas obras, realçou que estão ultrapassados as questões financeiras que condicionaram a não conclusão nos prazos acordados com as empreiteiras.

"Estão praticamente criadas as condições (financeiras) para dar o reinicio das obras tanto nas áreas dos transportes, habitação e também na construção civil e obras publicas", assegurou.

Para, Adão de Almeida, a província de Cabinda tem merecido um tratamento diferente devido a sua especificidade da parte do Presidente da República, João Lourenço, que, no âmbito da preparação do PIIM privilegiou a inclusão de alguns projectos que estavam paralisados embora sendo do âmbito central para a dinamização da vida da província e da resolução de alguns problemas.

Referiu que é hora de operacionalizar, executar, maior parte das obras que se encontram na fase final por estar em curso, a execução financeira com pagamentos destes projectos.

Por seu turno, o governador de Cabinda, Marcos Alexandre Nhunga, disse que a província de Cabinda foi contemplada com 65 acções no valor global de cerca de 94 mil milhões de kwanzas, sendo 15 do âmbito central, que representa 80% do valor e 50% provincial correspondente a 17%.

Disse estar "muito expectante" com relação aos projectos estruturantes enquadrados no PIIM, e que na sua maior parte são de âmbito central que se encontram paralisados a vários anos e que com o arranque e sua conclusão vão trazer para a província de Cabinda um grande impacto com efeitos multiplicadores e incalculáveis.

Lançado a 27 de Junho deste ano, o PIIM é um programa de iniciativa do Presidente da República avaliado em dois mil milhões de dólares e abrange os 164 municípios do país.

Com a implementação do PIIM, passam a ser as próprias administrações municipais a elencarem as prioridades das suas acções e projectos para o período 2019-2020.

Assuntos Província » Cabinda  

Leia também
  • 10/01/2019 04:51:44

    Cabinda: Governo trabalha na recuperação da Igreja São Tiago Maior

    Cabinda - O governo da província de Cabinda e os Ministérios das Obras Públicas e da Cultura encetam esforços conjuntos para o arranque dos trabalhos de recuperação da Igreja São Tiago Maior de Lândana, que viu a sua parte frontal da torre parcialmente desabada no dia 28 de Abril, na sequência de fortes chuvas que se abateram sobre aquela Vila de Lândana, no Cacongo.

  • 13/12/2018 12:20:09

    Governador de Cabinda pede rigor na aquisção de terrenos

    Cabinda - O governador de Cabinda, Eugénio Laborinho, defendeu hoje, nesta cidade, maior organização e rigor na aquisição e o uso de terrenos para salvaguardar os interesses das futuras gerações.

  • 02/10/2018 18:49:09

    Defendida conclusão do PRODAS

    Cabinda - A conclusão do Programa de Desenvolvimento do Alto Sundi (PRODAS), paralisado há sete anos devido a conjuntura económica e financeira que o país vive, preocupa a população e as autoridades locais, afirmou segunda-feira, o administrador municipal do Belize, André Ndimba Tati.