Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

05 Novembro de 2018 | 22h22 - Actualizado em 05 Novembro de 2018 | 22h21

Igreja pede ao Governo melhorias na assistência médica nos hospitais

Cuito - Os fiéis da IEIA (Igreja Evangélica dos Irmãos em Angola) na província do Bié, pediram ao Governo local, maior intervenção quanto a melhoria da assistência médica e medicamentosa e humanizado nas unidades sanitárias, sobretudo no hospital central.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O pedido veio através da mensagem dos crentes da IEIA, apresentada pelo pastor, Bernardo Adelino Capeio, durante a missa dominical, realizada no âmbito da visita do governador da província do Bié, Pereira Alfredo, aquela denominação religiosa.

Os fiéis mostraram-se ainda insatisfeitos pela insuficiência de fármacos nas unidades sanitárias da província, material gastável deficiente funcionamento dos laboratórios, esforçando os pacientes acorrerem em unidades privadas e outros a perecerem por falta de dinheiro para custear o tratamento.

A mensagem alerta ainda a imperiosidade do Governo apostar na reabilitação da estrada principais, secundárias e terciárias para facilitar o escoamento dos produtos do campo para às cidades e impulsionar desenvolvimento da região.

Na ocasião, o governador do Bié, Pereira Alfredo disse estar informado da situação, tendo sublinhando que o Governo trabalha para aumento de verbas no sector da saúde, visando ultrapassar a situação, a partir de 2019.

Assistiram ainda o culto, o secretário da IEIA no Bié, pastor Bernardo Adelino Capeio, administrador municipal do Cuito, Avis Agostinho Vieira, membros do Governo, pastores da IEIA e mais de mil crentes.

A IEIA foi fundada no dia 31 de Julho de 1834, tendo sido reconhecida pelo Executivo em 1992, pelo decreto nº14/92 de 10 de Abril.

No Bié, controla seis missões evangélicas, 230 Igrejas locais com 92 mil membros nos nove municípios da província, nomeadamente Cuito (capital) Andulo, Catabola, Camacupa, Chitembo, Cuemba, Chinguar, Cunhinga e Nhârea.

Com uma população de um milhão, 455 mil 223 habitantes, o Bié, controla 175 unidades sanitárias (hospitais, centros e postos médicos), os serviços são assegurados por três mil 373 funcionários (médicos, enfermeiros, técnicos de diagnostico e terapeutas e pessoal administrativo).

A malaria, doenças diarreicas e respiratórias agudas, febre tifoide, infecções de transmissão sexual, doenças da pele, diabetes, anemia, traumatismos por acidentes de viação, ascite, gastrite são entre as várias enfermidades tratadas nos hospitais da província.

Assuntos Província » Bié   Sociedade  

Leia também
  • 28/01/2019 17:33:29

    Hospital do Bié recebe doação de 80 bolsas de sangue

    Cuito - Oitenta militantes da JMPLA, na província do Bié, doaram, nesta segunda-feira, 80 bolsas de sangue à secção da hemoterapia do hospital provincial do Bié.

  • 16/01/2019 19:02:51

    Registados mais de duzentos casos de malnutrição em Malanje em 2018

    Malanje - Duzentos e três casos de malnutrição em crianças dos zeros aos cincos anos de idade, que resultaram em três mortes, foram registados nos hospitais da província de Malanje, em 2018, um aumento de 23 registos da doença comparativamente a 2017.

  • 15/01/2019 15:58:03

    Hospital Provincial do Bié recebe sangue

    Cuito - Cento e vinte e cinco mililitros de sangue foram doados hoje, terça-feira, à secção de hemoterapia do Hospital Provincial do Bié, localizada na cidade do Cuito, por funcionários da Delegação do Ministério Interior na circunscrição.

  • 14/01/2019 16:50:25

    Malnutrição mata 164 crianças no Bié

    Cuito - Cento e sessenta e quatro crianças menores de cinco anos morreram vítimas de malnutrição severa, em 2018, no Centro Nutricional Terapêutico (CNT) do município do Cuito, província do Bié, menos vinte e oito óbitos, em comparação a 2017.