Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

10 Fevereiro de 2019 | 17h12 - Actualizado em 11 Fevereiro de 2019 | 11h59

Governo gasta milhões de euros na evacuação de pacientes - ministra da Saúde

Menongue - O Governo Angolano está a trabalhar afincadamente na formação especializada de médicos em várias áreas, para reduzir os custos de evacuação de pacientes nacionais para o exterior do país, que são avultados, referiu neste sábado, no município do Cuito Cuanavale, Cuando Cubango, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Sílvia Paula Lutucuta, Ministra da Saúde

Foto: Pedro Parente

“Fazer qualquer cirurgia ortopédica, alojamentos, passagem aérea, os custos são elevadíssimos, podem ficar a volta dos 15 mil euros ou mais para cada paciente e anualmente podem chegar a 4 milhões de euros”, reforçou a ministra.

Adiantou que o país tem limitações no que tange aos especialistas de diversas áreas profissionais, capacidade técnica e das unidades hospitalares, mas que se está a fazer um grande trabalho para se inverter o quadro, com o apoio do Presidente da República, João Lourenço.

O Ministério da Saúde, segundo Sílvia Lutucuta, está apostado na formação especializada para aumentar o número de médicos de família, nas áreas de pediatria, ginecologia, obstetrícia, saúde pública, medicina interna e anestesia.

Sobre o funcionamento do Hospital Geral do Cuando Cubango, assegurou que o sector vai dar um tratamento adequado.

“O mais importante será a prestação de serviços às populações locais, porém, com pendor de formação através da parceira com a vizinha República da Namíbia, Zâmbia, África do Sul, para inverter o quadro e com um atendimento diferenciado”, sublinhou.

Em declarações à imprensa, no final de uma visita de trabalho de dois dias à província do Cuando Cubango, a titular da Saúde manifestou preocupação com o atraso das obras do novo hospital iniciadas em 2006, e que estão paralizadas à seis anos.

Aos empreiteiros da obra foram pagos 97 porcento do valor, incluindo o seu apetrechamento.

Informou que o Sector da Saúde está a trabalhar no sentido de responsabilizar criminalmente os empreteiros. Para o efeito, avançou que o ministério vai recorrer aos órgãos de justiça para se dar um tratamento célere, porque a situação já ultrapassa as competências do seu pelouro.

O único Centro de Saúde do Cuito Cuanavale, instalado na sede, regista grandes dificuldades, quer da parte do laboratório, uma vez que funciona apenas com um microscópio e testes rápidos.

A ministra manifestou-se também preocupada com a população fronteiriça que, por falta de especialistas nos hospitais locais, imigram para os países vizinhos em busca de assistência médica, percorrendo mais de 300 quilómetros.

Leia também
  • 12/02/2019 11:37:38

    INEMA conta com três postos avançados

    Luanda - Quatro postos avançados para emergências médicas estão montados ao longo de três estradas: em Kifangondo, no KM 44 e no Benfica, para facilitar o acesso aos sinistrados, principalmente por acidentes de viação.

  • 11/02/2019 11:56:08

    Hospital do Cuanhama apetrechado este ano - Ministra da Saúde

    Ondjiva - O Hospital Municipal do Cuanhama, na província do Cunene, cuja obra terminou em 2014, será apetrechado este ano, anunciou domingo, em Ondjiva, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.

  • 11/02/2019 11:41:01

    Técnicos de saúde actualizam conhecimentos sobre malária no Namibe

    Moçâmedes - Um grupo de supervisores do Programa de Luta e Controlo da Malária no Namibe participam de 11 a 15 deste mês numa formação sobre recolha, tratamento, análise e processamento dos dados da doença na província.

  • 10/02/2019 18:11:05

    Casos de malária superam estatísticas no Hospital Geral

    Menongue - Quatro mil casos de malária, com 52 óbitos, foram registados em 2018 no Hospital Geral do Cuando Cubango, tida como uma doença que supera as estatísticas entre as demais, informou o director desta instituição, Fernando Cassanga.