Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

08 Abril de 2020 | 16h52 - Actualizado em 08 Abril de 2020 | 18h40

COVID-19: Rede de farmácias Kyambote junta-se à luta

Luanda - Quatro farmácias da rede Kyambote serão abertas, no decurso deste ano, na capital do país, pelo grupo empresarial HXA, que se alia, deste modo, aos esforços do Executivo tendentes ao combate contra o novo Coronavírus (Covid-19) e disponibilização de fármacos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Vista parcial do interior da farmácia da rede Kyambote, que se junta na luta contra o novo Coronavírus

Foto: Nelson Malamba

Dada a urgência em se inibir a propagação da pandemia e a necessidade de se disponibilizar assistência médica e medicamentosa de qualidade à população, o grupo inaugurou, a 25 de Março, uma farmácia, no bairro Azul, num investimento de 600 milhões de kwanzas.

Com efeito, neste mês de Abril, a HXA vai abrir a segunda farmácia na capital, no distrito urbano do Rangel, a segunda das quatro estruturas contempladas para Luanda, como comprometimento com as zonas periféricas do país, dispondo de álcool gel, máscaras e outros materiais.

“A intenção é levar à periferia serviços de qualidade a preços acessíveis, conforme o poder de compra local. Embora o arranque tenha sido em Luanda, onde se prevê a abertura de mais três unidades, a rede de Farmácias Kyambote terá abrangência nacional”, disse Dalvan Costa.

Segundo esse administrador do grupo empresarial HXA, citado numa nota a que a Angop teve hoje acesso, o objectivo é levar os medicamentos ali onde a população mais precisa, especialmente neste período em que o país obedece, dede o dia 27, o Estado de Emergência, devido a Covid-19.

No mercado desde finas da década de 90, o grupo criou cerca de 30 áreas de negócios, incluindo a rede de farmácias Kyambote e a Pharmadis, uma das maiores distribuidoras de medicamentos de Angola, que já registou 17 casos positivos do novo coronavírus, dos quais dois óbitos e dois recuperados.

Leia também