Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

09 Fevereiro de 2018 | 15h51 - Actualizado em 09 Fevereiro de 2018 | 15h51

Vítimas de violência doméstica carecem de Centro de acolhimento

Cuito - A oficial do Projecto de Género e Sociedade Civil da Organização Não-Governamental checa, "People In Need" no Bié, Ângela Somanjolo, apelou hoje (sexta-feira), na cidade do Cuito, para a necessidade de o Governo local construir Centros de Acolhimento e Assistência às vítimas de violência doméstica.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ao falar numa palestra sob o tema “A Violência Doméstica na Juventude, suas Causas e Consequências”, no âmbito da abertura da jornada do "11 de Fevereiro" (Dia da Juventude e Desportos em Angola), Ângela Somanjolo considera a violência doméstica como uma problemática de Saúde Pública em Angola.

Salientou que a construção de Centros de Assistência à vítima de violência permitirá a recuperação satisfatória das ofendidas, com a ajuda de psicólogos, sociólogos, juristas, médicos e outros profissionais.

Sem revelar o número de crimes notificados, admitiu haver muitos casos de violência doméstica na província, sobretudo, a nível da União de Facto, resultante do uso exagerado de bebidas alcoólicas, drogas, tabagismo, associado à falta de diálogo entre os cônjuges.

Aconselhou os pais e encarregados de educação a ajudarem na educação dos filhos, sobre a responsabilidade na celebração de matrimónios, visando evitar que os nubentes optem pela violência doméstica na resolução dos seus problemas.

O director da Juventude e Desportos do Bié, Domingos Nilton Capama, assegurou que a sua instituição vai continuar a sensibilizar a juventude, visando melhorar a conduta social, no seio da família e na sociedade.

Assistiram à pelestra, efectivos das Forças Armadas Angolanas e da Polícia Nacional e mais de 300 jovens de diversas associações juvenis, nesta parcela do país.

Com uma população de um milhão, 455 mil e 225 habitantes, a província do Bié não possui instituições que ofereçamm essencialmente, atendimento psicológico às vítimas de violência doméstica.

Na província do Bié, intervém na resolução de conflitos familiares o sector da Família e Promoção da Mulher (DIFAMU), os Serviços de Investigação Criminal (SIC), a Procuradoria-Geral da República, Igrejas e autoridades tradicionais.  

Assuntos Província » Bié   Sociedade  

Leia também
  • 19/03/2018 19:19:51

    Manifestações de carinho e de reconhecimento marcam dia do pai

    Luanda - Diversas manifestações de carinho, amor e reconhecimento do empenho dos pais nas mais múltiplas frentes em beneficio aos educandos e conselhos aos que se furtam no cumprimento de seus deveres, como de prestação de alimentos, marcaram hoje, segunda-feira, a passagem do dia do pai.

  • 19/03/2018 17:51:20

    Mucaba regista redução de casos de violências doméstica

    Uíge - Dois casos de violências domésticos foram registados de Janeiro a Fevereiro deste ano, no município de Mucaba, 61 quilómetros a norte da cidade do Uíge, contra oito de igual período anterior, informou hoje (segunda-feira) à Angop, a responsável local do sector da família, Luísa Victor.

  • 19/03/2018 17:36:06

    Cidadã de 65 anos espancada até a morte

    Huambo - Uma cidadã de 65 anos de idade, residente na comuna da Luvemba, no município do Bailundo, 103 quilómetros da cidade do Huambo, foi espancada até a morte, por um jovem de 21 anos, que a acusou de feiticeira.

  • 19/03/2018 15:05:59

    Padre insta pais a reforçarem compromisso com educação dos filhos

    Ndalatando - A necessidade de um maior compromisso dos pais em relação a educação dos filhos, por via da preservação dos valores familiares baseados na harmonia, respeito e observância dos bons costumes foi defendida hoje (segunda-feira), em Ndalatando, pelo padre católico Roberto Guilherme.