Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

22 Abril de 2019 | 18h37 - Actualizado em 22 Abril de 2019 | 18h43

Polícia esclarece actuação no Palanca

Luanda - O director do gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da Delegação Provincial do Ministério do Interior, intendente Mateus Rodrigues, afirmou, nesta segunda-feira, que a actuação dos agentes presentes no local do linchamento de dois meliantes, no Distrito Urbano do Palanca, obedeceu aos padrões exigidos pela corporação.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mateus Rodrigues, director do gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da Delegação Provincial do Ministério do Interior (arquivo)

Foto: Joaquina Bento

O incidente ocorreu sábado último, na sequência de uma tentativa de assalto a uma vendedora de divisas, Maria Benedito, de 55 anos,  baleada na região do abdómen. A mesma foi submetida a uma intervenção cirúrgica e o seu quadro clínico inspira cuidados.

A acção resultou na morte de um dos meliantes no local e no ferimento a outro, que está internado numa unidade hospitalar, em estado grave.

Um terceiro implicado fugiu e está a ser procurado pela corporação.

Todos os envolvidos, já com histórico criminal, deixaram a cadeia recentemente, depois de cumprirem penas, por envolvimento em crimes de assalto à mão armada e homicídios.

Segundo a Polícia, a actuação dos agentes, durante a acção, foi feita com prudência, uma vez que estavam no local, em serviço de patrulha, apenas dois.

Mateus Rodrigues condenou a acção da população, e explicou que os polícias agiram de imediato e conseguiram retirar o segundo meliante do linchamento.

Sublinhou que não se recorreu a outras medidas de contenção (como disparos) para evitar um eventual confronto com a população que se mostrava eufórica, e para salvaguardar a integridade física dos agentes.

Assuntos Angola  

Leia também