Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

22 Setembro de 2019 | 14h01 - Actualizado em 22 Setembro de 2019 | 14h01

Huíla: Autoridades tradicionais querem transparência na execução do PIIM

Lubango - As autoridades tradicionais da província da Huíla aconselharam neste sábado, no Lubango, as administrações municipais a pautarem por uma gestão transparente e responsável na execução do Programa Integrado de Intervenção Municipal (PIIM), visando responder às reais necessidades das populações.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Autoridades tradicionaisadas

Foto: Pedro Parente

O orçamento do PIIM para a província da Huíla está avaliado 41 mil milhões, 404 milhões, 32 mil e 148 Kwazas, sendo que mais de oito mil milhões estão desinados ao Lubango e vai atender vários projectos sociais, mormente nos sectores da saúde, educação, águas, reabilitação de 150 quilómetros de estradas.

Os sobas manifestaram tal posição num encontro com a administração municipal do Lubango, onde passou-se informações sobre a execução do Programa Integrado de Intervenção Municipal (PIIM) e os procedimentos jurídicos da Lei de terra.

O “soba-grande” da província, Joaquim Huleypo, disse que a materialização do PIIM a nível dos municípios, deve incidir mais para questões prioritárias, tais como a abertura de mais vias de acesso para transportar alimentos do campo à cidade, e outros factores que pesam para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos.

O presidente da Associação das Autoridades tradicionais da Huíla (ASSAT), Adriano de Sousa, sublinhou que as administrações locais ao desenvolverem estas acções devem, em primeiro lugar, contactar os sobas e regedores os meandros do programa, para que possam sugerir ourtras prioridades em prol das comunidades.

“Em nada poderá adiantar o governo levar programas em áreas de menor acessibilidade com grandes investimentos, porque o dinheiro poderá ser gasto desnecessariamente, logo, é necessário que se faça estudos e, consequentemente, a sua execução”, - disse.

Já o administrador municipal do Lubango, Armando Vieira, afirmou que, no quadro de uma governação aberta e participativa, o governo entendeu partilhar informações sobre a implementação do PIIM, para que esteja mais próximo dos cidadãos.

Segundo ele, o governo pretende ver um bom funcionamento das autoridades tradicionais, para que possam transmitir mensagens de asseguramento da paz, da justiça, da ordem da segurança, do inventivo a produção agrícola, da prevenção de doenças, dentre outros.

Nesta senda, prosseguiu, é impreenchível continuar a manter excelentes relações com as autoridades tradicionais, para o bem-estar dos cidadãos.

“Os sobados tem o poder de levar mensagem às comunidades sobre políticas executadas pelo governo, viradas pelo bem-estar das comunidades, são o centro de toda a organização sobre o qual assenta a estrutura da governação de uma comunidade”, disse..

Leia também
  • 21/09/2019 18:04:27

    Bombeiros querem lei que regula uso da praia

    Luanda - O comandante do serviço de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB), Bençoa Mateus, defendeu a necessidade de se elaborar uma lei que regula o uso das praias para se minimizar mortes por afogamentos nas praias.

  • 20/09/2019 21:43:41

    Mais de 100 intérpretes gestuais são necessários no país

    Luanda - Cento e cinquenta intérpretes da língua gestual são necessários para facilitar a comunicação nas mais diferentes instituições públicas, visando o alcance da inclusão social dos deficientes auditivos no país.

  • 20/09/2019 17:19:31

    Lixo vira "ouro" de famílias carentes

    Luanda - Debaixo de sol, de chuva e entre amontoados de lixo, centenas de famílias de baixa renda procuram, diariamente, por objectos recicláveis para venda e subsistência, num contexto económico de forte "retracção" do mercado de emprego em Angola.